A Inocência dos Muçulmanos (Innocence of Muslim)

O filme A Inocência dos Mulçumanos fala sobre o profeta Maomé uma das 100 personalidades, mas influente da história mundial. Muhammad ou Mohammed, um líder religioso e político árabe. Segundo a religião islâmica, Maomé é o mais recente e último profeta de Deus, de Abraão. Profeta, unificador, mestre, mercador, político, religioso, sendo visto pelos mulçumanos como um dos mais perfeitos “seres humanos”.

O nome de Maomé se escreve em árabe Abu al-Qasim Muhammad ibn ‘Abd Allah ibn ‘Abd al-Muttalib ibn Hashim  e significa “louvável”, “servo de Deus”. O anunciado por anjo Gabriel.

O escolhido como o último profeta enviado a humanidade. Um idealizador, restaurador e difusor de ideias e princípios religiosos, de uma das religiões que mais cresce no mundo.

Mafoma, Mafamede, Mafomede, Mafomade, Mahamed, Mahoma, Mahomet, Mahomets, Mahometo, Mafamede, Mafoma ou Maomé o profeta que mais ganhou destaca no mundo. Um homem seguido por inúmeros indivíduos que buscam Deus o criador de tudo e todos.

Um homem verdadeiramente persuasivo, que influenciou e influenciará mais e mais adeptos. O profeta que rompeu com os limites da memória, pregando a sua doutrina em Meca e no mundo; promovendo uma prática religiosa segundo os escritos transcritos no alcorão. Maomé o “mensageiro de Deus” um dos maiores profetas de todos os séculos.

Na trama cinematográfica o diretor que utiliza o pseudônimo Nakula Basseley Nakula, promove uma sátira onde o profeta muçulmano Maomé não é visto como um dos maiores profetas de todos os tempos, o mesmo é desrespeitado segundo seguidores de Maomé.

No filme o profeta Maomé é apresentado em um aparente ato sexual. A película atraiu o total repúdio de autoridades de países muçulmanos. A obra traz um Maomé como um tolo, mulherengo e um falso religioso.  Os mulçumanos consideram uma blasfêmia o simples ato de mostrar qualquer representação de Maomé.

A produção cinematográfica busca ressaltar uma visão etnocêntrica, afirmado que os muçulmanos são extremamente violentos, verdadeiros foras da lei.

A mídia divulga as reações dos muçulmanos com relação ao filme, um movimento bastante violento por todo o Norte de África e Médio Oriente, com tentativas de assalto às embaixadas norte-americanas, atingindo o seu ponto máximo com o ataque à embaixada americana em Benghazi, na Líbia, que provocou a morte do embaixador e de três outros funcionários.

As manifestações têm-se propagado pelo Cairo (Egipto), Yemen, Tunísia, Marrocos, Bangladesh, Iraque, Irão, e outros, com a queima de bandeiras americanas e gritos de protesto.

Concordo que vivemos em século de liberdade e democracia com relação à expressão, no entanto não podemos violar ou tentar romper com aquilo que um grupo ou uma sociedade acredita no decorrer dos séculos. A mentalidade é um dos mecanismos que perpassa dentro do processo de longa duração trabalhado pelo escritor Braudel.

Entretanto, precisamos entender que as rupturas são uma quebra de ideias e conceitos que precisam passar por uma trajetória que se realiza ao longo de anos ou séculos, e jamais é possível contrapor um ideal religioso com uma simples nova ideia, sem antes passar esta pelo critério de veracidade e aceitação dos adeptos da mesma.

Em suma, podemos concluir que não existe valores universais ou normas de comportamentos válidas independentemente do tempo e do espaço.

Dhiogo José Caetano é professor, historiador, escritor e poeta