Cachoeira diz que só fala à CPI depois de depor na Justiça

Teve início há pouco a reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a ouvir o contraventor Carlinhos Cachoeira. Orientado por seus advogados, Cachoeira informou que não falará nada, antes de depor perante a Justiça.

Cachoeira (mais magro, grisalho e abatido) se negou a falar qualquer coisa

– Estou aqui como manda a lei, para responder. Constitucionalmente, fui advertido pelos advogados para não falar nada. Somente depois da audiência que teremos no juiz, se por ventura [a CPI] achar que eu deva contribuir, podem me chamar que eu responderei a qualquer pergunta – declarou.

A despeito da recusa, o relator Odair Cunha (PT-MG) lê neste momento perguntas relacionadas à atividade de Cachoeira.

Carlos Augusto Ramos sentou-se em uma mesa lateral, ao lado de seu advogado, Márcio Thomaz Bastos e de sua mulher, Andressa. Mais magro, grisalho e abatido, foi o primeiro a se pronunciar, e para tal teria um prazo de até 20 minutos. Ele se negou a falar qualquer coisa.

Mesmo assim, o relator, deputado Odair Cunha, iniciou a série de perguntas que havia preparado.

– Tenho muito a dizer, mas só depois da audiência (na Justiça) – reiterou o bicheiro.

Agência Senado