Luciano Huck que nada! Prefiro Louro José para presidente

País segue tendência histórica de criar balão de ensaio em ano pré-eleitoral

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Luciano Huck e Louro José são figuras icônicas da TV brasileira | Foto: Reprodução

Luciano Huck e Louro José são figuras icônicas da TV brasileira | Foto: Reprodução

Como atenuante para a grave crise financeira – oficialmente 13,5 milhões de desempregados – a mídia tem priorizado dois temas em especial: bajular a campanha da seleção de Tite e especular possíveis pré-candidatos à presidência em 2018. A aposta mais recente envolve  o apresentador global Luciano Huck, defensor de causas sociais e discípulo do tucano Aécio Neves. Ele diz que não, mas seus olhos brilham com a perspectiva de alcançar “um Brasil melhor”.

Huck já entrou até na lista de pesquisados. Cerca de 14% votariam no apresentador com certeza; 46% não votariam de jeito nenhum; e 36% não descartam a possibilidade. A maior rejeição ao marido da Angélica está entre aqueles que têm nível superior (52%). Nos bastidores o comentário é de que o nome de Huck estaria sendo estrategicamente inserido no balcão de apostas para contrapor o crescimento da tendência pelo prefeito João Doria (SP) no PSDB. Sendo assim, peço licença para apresentar outra sugestão: Louro José para presidente!

LEIA MAIS: Suspeito de furto é arrastado no asfalto e açoitado por populares

O braço direito de Ana Maria Braga é carismático, praticamente não tem rejeição e ainda carrega semelhança física com Huck abaixo dos olhos. Louro José poderia se transformar no personagem novo que os eleitores tanto sonham quando se dirigem às urnas.

Desculpe pela brincadeira, caro leitor! Impossível perder a oportunidade para tripudiar certas invenções políticas. Huck é muito bom no que faz e lá deve permanecer como um dia fez Sílvio Santos, mesmo contrariado com a impugnação da sua pré-candidatura à presidência.

O entrave que impede melhoria da qualidade política no Brasil não está nos nomes apresentados, mas sim na cultura permissiva que reina entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Se essa relação não mudar, qualquer cidadão com credibilidade que chegar ao Palácio do Planalto será detonado. Os seguidos escândalos de corrupção, incrivelmente, ainda não conseguiriam mudar a frieza e o pragmatismo em Brasília. Uma pena.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter