Comércio familiar

O segredo para o sucesso da empresa, que construiu ao lado da família, segundo Marcílio, é a união da qualidade, com bom preço e excelente atendimento

Quem costuma fazer compras no Verdurão da Família, na Avenida T-63, no Setor Bueno, certamente conhece ou já viu por lá o dono do estabelecimento, Marcílio Lopes de Lima, de 51 anos, que está sempre presente no local. O empresário dedica a maior parte do seu tempo para cuidar do seu negócio e está frequentemente em contato com seus clientes.

“Minha empresa tem conotação familiar, daí vem o nome Verdurão da Família. A presença dos donos com certeza é muito importante, o que é levado em consideração pelos clientes na hora de escolher um local para comprar”, diz.

Insatisfeito com o salário baixo que recebia como funcionário do Estado, em 1995, Marcílio resolveu partir para a iniciativa privada. “Saí do Estado depois de 19 anos sem noção de que tipo de comércio montaria. Depois de pesquisas e conversas com amigos e profissionais do Sebrae, concluí que montar uma loja de frutas e verduras seria vantajoso, já que tinha custo baixo e era uma carência do setor na época”, conta.

Foi quando o empresário montou sua pequena frutaria, onde hoje está localizado um posto, bem no final da Avenida T-63, em frente ao Mercado Pedro Ludovico. Durante dois anos o comércio de Marcílio prosperou na região, mas foi preciso mudar de lugar, pois o dono do imóvel, que era alugado pelo empresário, resolveu vendê-lo.

“Eu resolvi comprar um imóvel para instalar minha loja, até que soube por um cliente, dono do Biscoito Caseiro, que ficava ao lado de onde o Verdurão está hoje, que o ponto estava disponível”, lembra.  Em conjunto com o Sebrae, Marcílio se fixou na T-63, próximo à T-5.

No começo, o comércio de Marcílio vendia apenas hortifrutigranjeiros, mas com o tempo ele foi ampliando a loja, que hoje ele chama de mercado da vizinhança, um local que vende de tudo: carnes, laticínios, bebidas, biscoitos e outros.

Marcílio está presente no estabelecimento administrando tudo, das 7 horas da manhã às 9 horas da noite, durante a semana e até às 13 horas, aos domingos. O segredo para o sucesso da empresa, que construiu ao lado da esposa e filhos, segundo Marcílio, é a união da qualidade, com bom preço e excelente atendimento. “Tenho carinho muito especial por essa loja. Converso muito com os meus clientes e ofereço a eles um tratamento mais próximo, de amizade mesmo”, declara.

Um tempo depois de instalado o Verdurão da Família na T-63, surgiu a oportunidade de comprar de um conhecido o Hiper Feirão, localizado um pouco mais acima, em frente ao Viaduto João Alves de Queiroz, que recebeu o nome de Hiper Feirão da Família. A loja enfrentou diversos problemas quando as ruas no local foram interditadas para a construção da trincheira. “Passamos um ano ali apenas pagando despesas. Os clientes não apareciam, porque não tinha como. Mas depois arquei com o prejuízo e comecei novamente”, recorda.

O Verdurão da Família também enfrentou dificuldades, como todo comércio, segundo Marcílio. “A concorrência começou a ficar difícil, principalmente com a construção de um hipermercado de uma rede multinacional bem em frente à minha loja. Mas graças à fidelidade da minha clientela eu continuo de pé”, destaca.

Marcílio acredita que a cultura do goiano, de cidade pequena, ajuda a manter seu negócio em boa situação. “Tenho clientes que não me abandonam desde 1995, e isso é muito bom. Se Deus me der saúde e o comércio permitir pretendo continuar aberto por muito tempo”, conclui.

Camila Bluemenschein