Crise financeira: ex-dirigente diz que Vila Nova vai quebrar em três meses

Paulo Henrique Pinheiro, Alexandre Dantas, Marcus Lorenzo, Muller Meira e Murilo Reis anunciaram renúncia do Vila Nova no início da semana (Foto: Reprodução)

Paulo Henrique Pinheiro, Alexandre Dantas, Marcus Lorenzo, Muller Meira e Murilo Reis anunciaram renúncia do Vila Nova no início da semana (Foto: Reprodução)

Depois da surpreendente renúncia de cinco diretores do Vila Nova, mais uma notícia ruim chega aos torcedores do clube nessa sexta-feira (17). Segundo o ex-vice-presidente Marcus Lorenzo (entre os que renunciaram no início da semana), o time “passará por dias muito difíceis, financeiramente, a partir de setembro”.

O ex-diretor relatou que o Vila arrecada pouco mais da metade do valor que precisa para pagar as despesas. São R$ 600 mil por mês de arrecadação, enquanto os gastos mensais chegam a R$ 1 milhão.

LEIA MAIS: Delegada põe em xeque relato de estupro na UFG e estudante diz ter provas a seu favor

“O planejamento foi seguido até abril deste ano. Foram feitos cálculos com receitas sazonais, que começaram a não entrar. Se o time vai bem, a torcida comparece. Do contrário, não se pode contar com a receita de bilheteria”, disse o ex-vice de finanças Alexandre Dantas.

Guto Veronez

Preguntado sobre a situação, o atual presidente do time, Guto Veronez, afirmou que planejamento financeiro para 2016 foi apresentado e aprovado em janeiro pelo Conselho Deliberativo e pelo Conselho de Orientação e Fiscalização. No entanto, ele admite que os problemas financeiros podem se intensificar no segundo semestre caso o Vila não apresente uma guinada na Série B e motive seu torcedor a ir ao estádio e, reforçando a arrecadação com bilheteria.

LEIA MAIS: Tite terá que devolver a esperança a uma nação

Guto ainda disse que, nesse momento, “tudo está em dia no Vila”. Mas, segundo ele, as bilheterias do Tigre foram decepcionantes em 2016. “Só tivemos lucro no clássico com o Goiás, no 1º turno do Goiano. Isso é um revés que estamos tendo e é preocupante”, revelou.

OBA

O presidente acredita que a reforma do Estádio Onésio Brasileiro Alvarenga pode tranquilizar a situação colorada, já que aumentaria as receitas por meio de bilheteria, bares e estacionamento.