Justiça manda demolir parte de condomínio

Segundo promotor, o muro dos fundos do residencial está 16 metros da margem do córrego

A Construtora Canadá terá de demolir no Condomínio Green River Residence o muro, a piscina e o salão de festas construídos, segundo o promotor Juliano Barros, em área de preservação permanente às margens do Córrego Cascavel. A Justiça determinou ainda promover a recuperação do terreno e a indenizar os danos ambientais promovidos, com os valores sendo revertidos ao Fundo Municipal do Meio Ambiente.

De acordo com o promotor, o projeto executado em 2000 pela Construtora Canadá teve autorização da Prefeitura, mas não recebeu licença da Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma). “A lei diz que a distância entre construções e córregos deve ser de, no mínimo, 50 metros. O muro dos fundos do residencial está 16 metros da margem do córrego”, afirma.

O proprietário da construtora, Sebastião Pires Campos, alega que a lei federal exige a distância de 50 metros entre a margem e a construção, mas também diz que cabe ao município decidir sobre isso em cada caso. “Em Goiânia, em relação ao Córrego Cascavel, a distância mínima é de 25 metros e respeitamos isso”, declara.

Marcelo Felipe, síndico do condomínio, disse que os moradores entraram com uma ação contra a Construtora Canadá, porém ainda não julgada. “Não sabemos o que fazer. A piscina furou e nem posso mandar arrumar porque não sei o que vai ser dessa área”, relata.

Segundo moradora, a atual situação do condomínio desvalorizou os imóveis. “Se for vender, ninguém quer comprar sabendo do problema. Ou não vende, ou mente e vende sem contar o problema”, relata Vanda Aguiar, moradora há nove anos.