Chumbo grosso no falastrão

Suas limitações como profissional já eram conhecidas, agora ficou evidente a falta de caráter ao não pedir desculpas à cantora e aos telespectadores pela flagrante postura racista em canal aberto. Fraco e sem talento.

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak
Dois “novelões” da vida real exibiram capítulos importantes nesta quarta-feira. A direção do Atlético Goianiense decidiu manter Marcelo Cabo (saiba mais), pivô de escândalo etílico-sexual, no comando técnico da equipe. E a Rede Record de Brasília optou por demitir o apresentador “Marcão do Povo”.

E a Rede Record de Brasília optou por demitir o apresentador "Marcão do Povo", do programa Balanço Geral, depois que ele chamou a cantora Ludmilla de "pobre e macaca" no ar.

E a Rede Record de Brasília optou por demitir o apresentador “Marcão do Povo”, do programa Balanço Geral, depois que ele chamou a cantora Ludmilla de “pobre e macaca” no ar | Fotomontagem: divulgação

Quanto ao caso de racismo contra a cantora Ludmilla, o apresentador e ex-deputado “Marcão do Povo”, também conhecido como “Marcão Chumbo Grosso”, ainda vai ter muita dor de cabeça mesmo após sua demissão. Ela pretende levar a ofensa às últimas consequências na esfera policial. Bem diferente da fraqueza do apresentador, que tentou amenizar nas palavras depois do imenso estrago provocado em programa ao vivo.

LEIA MAIS: Capítulo da solidariedade (Marcelo Cabo) e contra o racismo (Ludmilla)

‘É comum chamar as pessoas de macaca?’

“Marcão do Povo” teve a capacidade de dizer que “é comum chamar a pessoa de macaco na região Centro-Oeste”. Triste. Suas limitações como profissional já eram conhecidas, agora ficou evidente a falta de caráter ao não pedir desculpas à cantora e aos telespectadores pela flagrante postura racista em canal aberto. Fraco e sem talento.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter