Colégio Zezão: sujeira, abandono e descaso

Zezão está sem verba para realizar as reformas que são extremamente necessárias para o bem-estar dos alunos

Zezão está sem verba para realizar as reformas que são extremamente necessárias para o bem-estar dos alunos

O Colégio Estadual Deputado José de Assis (apelidado pelos alunos como Zezão) está numa situação preocupante. Hoje, resta na escola um campo de futebol improvisado em chão de terra e cheio de lama no período da chuva. Tudo isso faz com que os alunos pratiquem as aulas de educação física no pátio anexo às salas de aula. E, evidentemente, o que não falta são boladas quebrando os vidros das janelas.

Uma funcionária que trabalha há 30 anos no Zezão se diz preocupada com o futuro da escola. Irani Moreira reclama que os banheiros estão interditados desde 2010, obrigando os alunos a usarem os mesmo sanitários dos funcionários. E não para por aí: as aulas do turno da noite serão canceladas a partir de 2015, ação que é parte do corte de gastos empreendido pelo Governo estadual.

Mas não são apenas tristezas para um dos colégios mais queridos da região. No Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), o José de Assis passou de 3,3 para 4,7. Já no Idego (Índice de Desenvolvimento da Educação Goiana), o crescimento foi de 2,9 para 3,3. “É difícil, mas estamos fazendo o possível”, disse a diretora do colégio, Eurípea Basílio.

#Opinião

O Folha Z vai seguir cobrando dos responsáveis quanto à entrega das reformas no colégio e também do poder público, que deveria cuidar melhor da educação dos jovens. Tudo porque o jornal acredita que a escola de boa qualidade é a melhor estratégia para combater o crime e vários outros problemas sociais.