Comissão Interna dos Direitos Humanos da PMGO tem portaria publicada

Regimento interno da comissão foi oficialmente criado e já está em vigor

Comando da PMGO, que acaba de publicar regimento da Comissão de Direitos Humanos da corporação | Foto: Divulgação/ PMGO

Comando da PMGO, que acaba de publicar regimento da Comissão de Direitos Humanos da corporação | Foto: Divulgação/ PMGO

Está em vigor desde 12 de março a Portaria 10338/2018, que cria oficialmente o Regimento Interno da Comissão Interna dos Direitos Humanos da Polícia Militar do Estado de Goiás.

De acordo com o texto publicado no Diário Oficial Eletrônico da Corporação, o regimento “tem por objetivo garantir e defender os direitos do Policial Militar como pessoa humana, através de efetivo acompanhamento, aperfeiçoamento profissional e melhoria da qualidade de vida, cultivando a dignidade do militar e, consequentemente, pautando suas ações nos princípios da dignidade e das garantias fundamentais do cidadão”.

Presidente da comissão, a major Karise Néris de Sousa enalteceu o trabalho da corporação e defendeu respeito e dignidade aos verdadeiros heróis no dia a dia dos goianos.

LEIA MAIS: Assassinatos, estupro e canibalismo: o crime que chocou Paraúna

“Vamos defender os direitos de nossos policiais, e agradecemos ao apoio incondicional do comandante geral da Polícia Militar Silvio Vasconcelos Nunes”, afirmou.

O projeto foi acompanhado desde o início pela Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas no Estado de Goiás (Abracrim-GO), através da Comissão de Proteção dos Direitos Humanos, com apoio técnico da então advogada e presidente da comissão Lorena Ayres.

Regimento

A ação da Comissão Interna de Direitos Humanos abrangerá todo o Estado e terá como finalidade “estudar, planejar e concretizar projetos que visam garantir a integridade e dignidade do policial militar como profissional e como pessoa, bem como apurar ações e situações que ferem a prevalência dos direitos humanos nas relações interna e externa Corporis”.

Conheça o Regimento Interno da CIDH.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter