Três são presos por mandarem matar homem que revelaria compra de criança em Goiânia

O que os criminosos não sabiam é que o vigilante havia deixado com sua irmã um vídeo revelando tudo e, antes de morrer, pediu que ela levasse as imagens à polícia caso algo acontecesse

Homem é morto para não revelar compra de uma criança em Goiânia | Foto: Ilustrativa

Homem é morto para não revelar compra de uma criança em Goiânia. Família é presa suspeita de cometer o crime para evitar que mulher fosse para a cadeia | Foto: Ilustrativa

A Polícia Civil (PC) anunciou a prisão de quatro pessoas nesta terça-feira (27) suspeitas de mandar matar um vigilante em Goiânia. Segundo a polícia, o crime ocorreu em 2014 e teria sido motivo pelo temor de que a vítima revelasse crime cometido por pelo menos um dos suspeitos.

A informação da qual tinha conhecimento o vigilante era a respeito da compra de uma criança realizada em 2007. Neste ano, uma mulher, que está entre os presos, simulou estar grávida e, juntamente com seu companheiro, comprou uma criança para criá-la como sua.

No entanto, o casal acabou se separando pouco tempo depois e o vigilante disse para a mulher que tonaria pública a história da criança. Temendo a prisão, a mulher planejou o assassinato do vigilante. Auxiliada por seu pai, um de seus filhos e seu namorado, ela contratou um pistoleiro para tirar a vida da vítima.

LEIA MAIS: Jornalista chama Goiás de amador e time responde à altura em nota oficial

Vídeo

O que os criminosos não sabiam é que o vigilante havia deixado com sua irmã um vídeo revelando tudo, inclusive a compra da criança. Antes de morrer, a vítima disse à irmã que levasse as imagens à polícia caso algo acontecesse.

Pouco depois, o vigilante foi atingido por cinco tiros enquanto dormia dentro do próprio carro, algo que passou a fazer depois da separação, e acabou morrendo.

Instalador de cabos de comunicação e com apenas 23 anos, o atirador segue foragido. Ele teria recebido R$ 2.500 pelo assassinato. O restante dos suspeitos estão presos na Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter