Delegado denuncia motivação política em sua remoção de Inhumas

'Dia de festa para a bandidagem': Humberto Teófilo publicou carta aberta em que lamenta a decisão da Polícia Civil

Delegado Humberto Teófilo protesta contra sua remoção de Inhumas: 'sorrateira' | Foto: Reprodução/ Facebook

Delegado Humberto Teófilo protesta contra sua remoção de Inhumas: ‘sorrateira’ | Foto: Reprodução/ Facebook

O delegado Humberto Teófilo divulgou uma carta aberta em que lamenta sua remoção da titularidade da Delegacia de Inhumas, cidade a 40 km de Goiânia.

No texto, o servidor atribuiu a mudança a “fundamentos políticos” e qualificou a medida como “sorrateira”.

Ele ainda relatou que muitas investigações relevantes estavam em andamento sob sua responsabilidade e chamou a atenção para a “fragilidade da instituição [Polícia Civil]”.

No último sábado, 10, uma carreata foi realizada pelas ruas de Inhumas para protestar contra a saída do delegado da cidade.

Confira a íntegra da carta do delegado Humberto Teófilo:

“Transferência forçada!

Com muita tristeza, comunico a toda população, minha remoção da Delegacia de Inhumas.

Hoje é dia de festa para a bandidagem, tendo em vista que tínhamos muitas investigações relevantes em andamento.

Uma sequência de fatos públicos e notórios ocorreram nos últimos dias que dispensam quaisquer comentários.

A partir de segunda-feira vou me apresentar à Secretaria de Segurança Pública seguindo determinação de uma decisão proferida pelo Conselho Superior da Polícia Civil que, por 6 votos a 1, decidiu pela minha saída da cidade.

É triste saber que um delegado de polícia, o qual sempre lutou contra facções criminosas (mesmo sob ameaças), realizando inúmeras prisões, reduziu comprovadamente a criminalidade e atuou de forma firme contra a corrupção, possa ser transferido de uma forma tão sorrateira.

A decisão expõe a fragilidade da instituição e demonstra que a inamovibilidade relativa do delegado é uma farsa. Até quando isso?

Quero deixar aqui meus sinceros e eternos agradecimentos aos policiais, estagiários e demais colaboradores da delegacia que, por muitas vezes, renunciaram o convívio familiar para combater o crime.

Agradeço a população pelas inúmeras mensagens de apoio e, por sempre me receber de braços abertos nessa árdua missão.

Inhumas, terra que aprendi a amar, lugar onde construí minha família, conheci minha noiva e recebi o maior presente que Deus poderia me dar, qual seja, meu filho!

Respeito, mas discordo veementemente da decisão da instituição, arraigada de fundamentos políticos. Agora tenho que me defender das inúmeras representações formuladas na Corregedoria e das ações judiciais propostas por um “seleto” grupo de pessoas que ficaram “contrariadas” com as ações da Polícia Civil.

Ressalto que Inhumas continuará sendo a minha residência.

Vou continuar combatendo a criminalidade, seja onde for, e sempre mantendo minha postura de tratar todos de forma igual.

Vida que segue, pois o futuro a Deus pertence.

Enfim, continuaremos a combater um bom combate!”

LEIA MAIS: Homem é detido usando drone para filmar jovem nua no Jardim América

Combate ao tráfico

Em 2017, a Delegacia de Inhumas investigou a participação do presidente da Câmara de Vereadores da cidade, Gleiton Luiz Roque, e do assessor de comunicação da Casa, Carlos Alberto de Oliveira Filho, no tráfico de drogas.

Ao todo, 11 pessoas foram indiciadas pela Operação Assepsia, comandada por Humberto Teófilo.

Polícia Civil

Por meio de nota, a Polícia Civil reiterou que a mudança atendeu a necessidades da Segurança Pública na capital. Leia na íntegra:

“Sobre a mudança de lotação do delegado Humberto Teófilo, a Polícia Civil esclarece que a mudança atende à necessidade do serviço público, no sentido de suprir o déficit de delegados na Delegacia Estadual de Investigação de Homicídio – DIH, em especial a equipe que apura crimes na AISP 1 – região central de Goiânia.”

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter