Confira 15 dicas excelentes para que sua casa não seja assaltada enquanto estiver viajando

Vai passear nesse feriado prolongado em Goiânia e Aparecida? Leia os conselhos do especialista e faça uma viagem mais tranquila!

Com medo de viajar e deixar a casa sozinha? Essas dicas vão salvar sua vida | Foto: Reprodução

Com medo de viajar e deixar a casa sozinha? Essas dicas vão salvar sua vida | Foto: Reprodução

O ano de 2017 está cheio de feriados prolongados e, consequentemente, oportunidades para pegar a estrada e curtir um passeio em família. Porém, a preocupação com a segurança da casa, que fica sozinha na ausência dos moradores, pode tirar o sossego de muita gente. Confira essas dicas de um grupo especializado em segurança e relaxe no feriadão!

De acordo com o especialista em segurança do Grupo GR, Marcos Roberto Araújo, é possível fazer uma viagem tranquila tomando algumas medidas. Confira as simples dicas tanto para quem mora em casas quanto para os moradores de condomínios:

Casas

1 O melhor seria não deixar a casa sozinha, mas se isso não for possível, peça a um vizinho ou parente visitar diariamente o imóvel.

2 Não passe informações da sua viagem (local, data de saída e data de chegada) para estranhos ou funcionários. Informe apenas a pessoas de sua total confiança.

3 Se possível, peça para uma pessoa de sua confiança recolher as correspondências, jornais e até os dejetos de cachorro se houver, verificar movimentos estranhos de pessoas rondando a residência.

4 Não deixe as luzes acesas durante o dia, pois isso significa ausência de moradores.

5 Se possível, instale um aparelho de fotocélula para acender e apagar as luzes externas à noite e de dia, respectivamente.

6 Deixe algum telefone de contato com um vizinho, parente ou amigo, para informarem alguma ocorrência.

LEIA MAIS: 22 dicas para sobreviver a um assalto em Goiânia

Condomínios

7 As entradas -social e de serviço- devem possuir clausura (área de acesso entre dois portões) para que tanto condôminos como visitantes e prestadores de serviços possam passar por identificação e cadastro sem ficar expostos na rua. Da mesma forma, evita-se o acesso livre ao condomínio ao abrir o primeiro portão.

8 As entradas do condomínio – social, de serviço e garagem – devem ser suficientemente iluminadas, evitando-se o uso de obras de arte, de decoração e de jardinagem que obstruam a ampla visão do local à distância ou através das câmeras de vigilância.

9 Os acessos aos apartamentos igualmente devem ser dotados de boa iluminação e as portas devem ser sólidas, dispondo de “olhos mágicos” ou outro dispositivo que permita a observação do lado externo.

10 Preferencialmente, o condômino deve manter a máxima discrição quanto aos valores guardados em casa, existência de cofres, joias, eletrônicos e outros objetos que possam chamar atenção, inclusive bebidas alcoólicas. Há ocorrências de apartamentos que foram invadidos, pois o morador postou nas redes sociais a quantidade de uma determinada bebida que estava armazenando.

11 O pessoal de zeladoria, principalmente aqueles que desempenham funções na portaria do prédio, deve ser alertado periodicamente sobre diferentes práticas criminosas e devem estar capacitados para tomar providências quando necessário.

12 Ao atender visitantes, na ausência de clausura, o porteiro deve manter as pessoas do lado externo do condomínio e os portões fechados.

13 Avisar o condômino sobre visitas, entregas etc e só permitir acesso às dependências mediante autorização do morador e devidamente acompanhado por um funcionário.

14 Evitar permitir que os empregados domésticos ou crianças possam autorizar o acesso de visitantes.

15 As chaves que forem confiadas a funcionários (faxineiras, motoristas, cozinheiras etc) não devem abranger todas as portas do apartamento, permitindo-se o isolamento de algumas dependências privadas, evitando que os empregados possam ser coagidos a abrir as portas de que possuam as chaves, surpreendendo os demais moradores.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter