Ele não teve direito a extrema-unção, diz padre sobre brasileiro fuzilado na Indonésia

Marco Archer foi fuzilado na Indonésia no mês passado
Marco Archer foi fuzilado na Indonésia no mês passado

O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, executado na Indonésia no último dia 18 de janeiro, não teve direito a extrema-unção. A informação foi confirmada pelo padre Charles Burrow, em entrevista ao “Fairfex Media.”

O padre ainda afirmou que foi impedido de acompanhar os últimos minutos do brasileiro. “O procurador não me deu carta branca para entrar na ilha. Ninguém se preocupou com o Marco. Há um momento em que o prisioneiro é consolado, mas ele não foi”, explicou.

Charles Burrow declarou que o brasileiro chorou durante todo tempo. “Marco foi arrastado da cela chorando e assim ficou até o último minuto de vida. Ele realmente defecou nas calças”, completou o padre.