Feriados: varejo goiano teme prejuízos

“Ano passado tivemos cenário de desaceleração da  economia” - Margareth Sarmento, diretora do Sindilojas

“Ano passado tivemos cenário de desaceleração da
economia” – Margareth Sarmento, diretora do Sindilojas

Março é o mês de negociação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2015/2016 entre o Sindicato do Comércio Varejista no Estado de Goiás (Sindilojas) e o Sindicato dos Empregados no Comércio no Estado de Goiás (Seceg). As definições da Convenção regerão as relações de trabalho do comércio varejista goiano, entre empresários e colaboradores durante todo o ano que se inicia. Entre os pontos negociados estão os índices de salário fixo e comissões, gratificação para operadores de caixa, horas extras, seguro de vida, orientações para abertura em feriados e outros.

E, por falar em feriados, aqueles que caem em dias úteis neste ano têm sido motivo de preocupação para empresários e para empregados que trabalham no sistema de comissões, pois atrapalham o cumprimento de metas e limitam os rendimentos. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC), o lucro para lojistas que abrem suas portas nesses dias cai cerca de 9% porque os comerciantes têm que pagar em dobro os salários dos vendedores.

Desaceleração

Para a diretora do Sindilojas, Margareth Maia Sarmento, feriados em excesso são sempre preocupantes para os comerciantes por refletirem diretamente na circulação e produção. “Ano passado tivemos cenário de desaceleração da economia, com baixa produtividade da indústria e comércio. O número alto de feriados e pontos facultativos piora a situação, porque possibilita prejuízos resultantes das interrupções do trabalho”, avalia.

A vendedora Ana Paula Nascimento, da Terra Rara Modas, diz que as folgas que caem às sextas-feiras são as mais prejudiciais para o comércio de rua. “As pessoas se retiram da cidade e viajam. Então, ficamos o sábado com as vendas em baixa e no final do mês a comissão fica bem reduzida. Já para quem trabalha em shopping, a vantagem é que estes estabelecimentos oferecem ao consumidor suas áreas de gastronomia e lazer, grandes atrativos para o fim de semana”, pontua.

Datas negociadas

Segundo o presidente do Sindilojas, José Carlos Palma Ribeiro, foi negociada em 2014 com o Seceg a abertura do comércio nas seis datas que já eram de costume (Tiradentes, Padroeira de Goiânia, Corpus Christi, Nossa Senhora Aparecida, Aniversário de Goiânia, Aniversários Municipais e Proclamação da República) e também a abertura em mais duas datas, Independência do Brasil e Finados, que antes não entravam na lista de feriados negociados.

“Para 2015, levaremos à pauta de negociação novamente a abertura do comércio nessas datas, pois o Sindilojas trabalha para minimizar os possíveis prejuízos. Se o lojista deseja utilizar a intervenção do sindicato para o funcionamento em feriados e datas especiais, recomendamos que entre em contato conosco”, ressalta.