Goiânia não atinge meta de vacinação infantil e prorroga prazo até 31 de dezembro

Embora a poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, esteja erradicada no Brasil desde 1990, ainda existe o risco de que essa doença possa ser reintroduzida no País
Embora a poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, esteja erradicada no Brasil desde 1990, ainda existe o risco de que essa doença possa ser reintroduzida no País

A Campanha de Vacinação Infantil contra a poliomielite, sarampo, rubéola e caxumba foi prorrogada até o dia 31 de dezembro para os municípios que não atingiram a meta de vacinação, como é o caso de Goiânia. Na capital, a vacinação contra pólio atingiu 91,24% e a tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) atingiu 82,23% da meta de vacinação do Ministério da Saúde, que é de 95% do público-alvo.

Em Goiânia, 76 salas de vacinação, incluindo Cais, Ciams, Centros de Saúde e Centros de Saúde da Família, estão em funcionamento para vacinar crianças de até 4 anos, 11 meses e 29 dias. Mesmo as crianças que estejam com o cartão de vacinação em dia devem comparecer à unidade de saúde mais próxima para a verificação do cartão de vacinação.

Para as crianças com intolerância à lactose, a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia garante a segurança da vacina contra o sarampo (tríplice viral). As famílias cujas crianças sejam alérgicas à proteína lactoalbumina, presente no leite de vaca, receberão uma vacina específica em outra oportunidade.

Alerta

Embora a poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, esteja erradicada no Brasil desde 1990, ainda existe o risco de que essa doença possa ser reintroduzida no País. Neste ano, foram registrados 125 casos de sarampo no Ceará após 15 anos sem casos da doença. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, mais de 40% das pessoas que contraíram sarampo no estado têm até um ano de idade.