Menor anuncia arrastão em ônibus e passageiros reagem em Aparecida de Goiânia

Passageiros seguiam na linha 651, que sai do Terminal Isidória e vai até o Terminal Veiga Jardim, quando o jovem anunciou o assalto

Arrastão dentro de ônibus em Goiânia é frustrado pela reação de passageiros | Foto: Guilherme Coelho

Arrastão dentro de ônibus em Goiânia é frustrado pela reação de passageiros | Foto: Guilherme Coelho

Uma tentativa de arrastão no transporte coletivo de Aparecida de Goiânia deixou os passageiros da linha 651 assustados nesta terça-feira, 18. Eles seguiam o trajeto “Circular Sul – Via Veiga Jardim”, que sai do Terminal Isidória e vai até o Terminal Veiga Jardim, quando um adolescente deu voz de assalto a todos os passageiros.

Com a mão na cintura, o jovem de 15 anos indicava portar uma arma de fogo e exigia os pertences de todos os presentes. O que ele não esperava, porém, era que alguém reagiria. Foi um homem de 60 anos que, desconfiado da atitude do assaltante e acreditando que ele não estava armado, saltou em sua direção.

Vítimas e o jovem foram encaminhados ao 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia | Foto: Guilherme Coelho

Vítimas e o jovem foram encaminhados ao 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia | Foto: Guilherme Coelho

O homem, então, conseguiu aplicar o golpe chamado de “gravata” no adolescente, agarrando-o pelo pescoço. Neste momento, outros passageiros se levantaram e ajudaram a imobilizar o assaltante.

LEIA MAIS: Irritado com boatos sobre sua saúde, prefeito brada: “Iris doente é a p…”

Contida a situação, os passageiros acionaram a polícia, que encaminhou as vítimas e o jovem ao 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia. Lá, foram colhidos depoimentos e o foi lavrado o auto de apreensão do menor.

Os passageiros relatam que arrastões são comuns nos ônibus da Região Metropolitana de Goiânia. As ações ocorrem principalmente durante a noite ou nos finais de semana. “Quando a gente vai andar de ônibus, tem que fingir que é ainda mais pobre do que é pra tentar evitar ser assaltada”, comentou uma das vítimas, que preferiu não se identificar.

Não reagir

Apesar de ter sido bem-sucedida neste caso, a reação nunca é recomendada pelas forças policiais em situações de violência.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter