PM espera por base definitiva no Setor Jardim América

Moradores se reúnem com a PM para debater problemas de segurança do bairro

Moradores se reúnem com a PM para debater problemas de segurança do bairro

São 19 horas do dia 20 de dezembro quando Rosângelo Régis Ramalho e Ivoney Ramalho, sua esposa, abrem sua residência para esperar os convidados. É dia de mais uma reunião de moradores do Jardim América com representantes da 9ª Companhia Independente da Polícia Militar (9ª CIPM), responsável pela segurança no setor.  A importância destes encontros se intensifica pela ausência de uma base definitiva da Polícia Militar no bairro, o que aumenta a necessidade de táticas de prevenção a crimes.

“Estamos há 5 ou 6 anos na luta por uma sede definitiva da nossa polícia”, afirmou Humberto Matsuda, auditor fiscal da Receita Federal do Brasil e presidente do Conselho de Segurança do bairro, que iniciou a reunião do mês. “Mas talvez haja muita falta de interesse da parte de nossos governantes”. Para ele, na luta contra a criminalidade, a sociedade precisa mudar a maneira de pensar. Matsuda, que se diz a favor da prisão perpétua e pena de morte para crimes graves, acha que a sociedade protege demasiadamente os criminosos.

Para Humberto, os governantes não têm interesse em construir a base da PM

Para Humberto, os governantes não têm interesse em construir a base da PM

Visibilidade
Com opinião mais centrada na prevenção, Antônio Moreira Bonfim, comandante da 9ª CIPM, não tem dúvidas de que a implantação de uma base definitiva no setor Jardim América melhorará de maneira visível a segurança na região. “Desde 2008, há essa ideia de posicionar a polícia num local mais visível”, explicou. A 9ª CIPM ocupou temporariamente uma base no Centro Popular de Alimentação e Lazer (Cepal) do Jardim América. As condições do local, porém, eram inadequadas para a permanência da Polícia Militar.

Além da dificuldade de manejar viaturas em meio ao trânsito nos dias de feiras, a limpeza do lugar é precária. A atual área doada para a construção está localizada na Praça do Imigrante Italiano, mas aguarda a decisão da Prefeitura de Goiânia para o procedimento da licitação que definirá a empresa encarregada das obras.

Para o comandante, mesmo sem uma base dentro do setor, a segurança no Jardim América não se encontra em situação alarmante. As estatísticas do mês de outubro mostram três ocorrências de furto veículos no setor. Também ocorreram onze roubos a transeuntes, quatro roubos a residências e um homicídio. “Não podemos esquecer que o Jardim América é o maior bairro de Goiânia”, explicou. “Não deixo de destacar que tenho apenas dezesseis policiais à minha disposição para proteger a população do setor e adjacência, quando o ideal seria dispor de mais de duzentos para cobrir eficientemente a área”.

Participação popular
Com a palavra, Tenente Vicente Martins destacou a importância da participação da população nas reuniões com a Polícia Militar. Segundo o oficial, os encontros são uma oportunidade de estreitar as relações entre os dois lados. São nestas reuniões que a PM orienta os cidadãos sobre a melhor forma de agir em certas situações. Também dá dicas de segurança que previnem muitos crimes, além de ouvir a população sobre problemas de criminalidade em certas áreas.

Enquanto esperam pela base definitiva para a 9ª CIPM, os representantes presentes pedem que a população participe das reuniões e se porte de maneira mais proativa com a PM. “O cidadão pode ajudar a fazer o policiamento”, afirmou major Bonfim. “Eu tenho júbilo de alegria quando cidadãos abrem as portas de sua casa para receber a polícia militar”, disse. A Polícia Militar faz cerca de 15 reuniões com a população mensalmente, o que inclui visitas a escolas e encontros em residências particulares.