Réu que colocou tornozeleira eletrônica em galo é condenado em Goiânia

Conhecido com Fabinho Doido, ele foi condenado a 10 anos de reclusão por homicídio

Condenado em Goiânia colocou tornozeleira eletrônica em galo. Fato semelhante ocorreu no Rio Grande do Sul em 2014 | Foto: Divulgação / Brigada Militar

Condenado em Goiânia colocou tornozeleira eletrônica em galo. Fato semelhante ocorreu no Rio Grande do Sul em 2014 | Foto: Divulgação / Brigada Militar

Em júri popular realizado na última quarta-feira, 6, em Goiânia, um réu  foi condenado a 10 anos de reclusão por homicídio. Mas um detalhe chamou a atenção no caso.

Laurentino de Souza Filgueira, conhecido com Fabinho Doido, usou de um artifício para enganar a central de monitoramento da Segurança Pública goiana.

Obrigado a usar tornozeleira eletrônica, ele conseguiu retirar o equipamento do corpo e o colocou em um galo.

O fato, confirmado por testemunhas, ocorreu quando ele cumpria pena por ter agredido sua ex-mulher.

Tempos após realizar o artifício, ele foi considerado foragido pela polícia.

Foi até que, em junho de 2016, Laurentino cometeu o crime pelo qual foi condenado no júri da última quarta-feira, o homicídio de José Alberto Ribeiro.

LEIA MAIS: Policiais são inocentados de homicídio em júri popular em Goiânia

Pelo assassinato, ele foi considerado culpado pelo júri coordenado pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara, da 3ª Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri.

O Júri Popular reconheceu ainda que o crime foi praticado por motivo fútil. A pena estipulada deverá ser cumprida em regime inicialmente fechado, na Penitenciária Odenir Guimarães.

Tornozeleira eletrônica

A atitude de Fabinho em relação à tornozeleira, no entanto, não interferiu na pena estipulada pelo magistrado.

Mas o juiz ressaltou que o aparelho de monitoramento é muito importante para uso naquelas pessoas que não representam risco à sociedade.

Por lado, ele destacou a vulnerabilidade do sistema, que deve ser controlada pelo poder público de forma mais eficaz.

Ele aguardará o trânsito em julgado da sua sentença preso no estabelecimento prisional em que se encontra no momento.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter