Vereadora ordena matança de cães por enforcamento, atropelamento ou disparos

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Ativistas pelos direitos animais se organizaram para parar a matança de cães en Teúl de Gonzalez Ortega, Zacatecas, México, e resultante da divulgação deste acontecimento, foram informados que também em Nochistlán as autoridades municipais ordenaram que animais fossem assassinados. As informações são do Zacatecas Online.

A representante da ONG Reskate Animal, Eugenia Hernández Reyes, declarou que foram ao Congresso do Estado procurar por Felipe Ramírez Chávez, deputado pelo distrito eleitoral de Zacatecas, mas ele não quis atender. Também tentaram se comunicar com o presidente municipal, Marco Aurelio Rivas Flores, mas ao contactar seu escritório a resposta foi que não poderia atendê-los, pois tinha assuntos mais importantes para tratar.

Superpopulação

Apenas foram recebidos pela vereadora Esther Cisneros, que foi quem ordenou a matança dos cães por enforcamento, atropelamento ou por disparos, devido a superpopulação e por dar mal aspecto ao turismo no município nomeado Pueblo Mágico (Cidade Mágica).

Cidades Mágicas, é um programa desenvolvido pela Secretaria de Turismo do México (Sectur), em conjunto com diversas instâncias governamentais, e reconhece aos habitantes e ao trabalho que desenvolvem para proteger e guardar sua riqueza cultural. Este programa foi criado em 2001.

Eugenia Hernández informou que a funcionária reconheceu que tinham que eliminar os cães, mas esclareceu que haviam assassinado apenas um par, pois um era muito agressivo e o outro estava com raiva. A defensora dos direitos dos animais declarou que os habitantes do município se comunicaram com ela para relatar mais casos; um deles, tutor de um pastor alemão que tinha fora de casa, afirmou que uma patrulha matou o seu cão intencionalmente.

Insegurança

Para Eugenia Hernández os atos das autoridades contribuem para a insegurança que há no estado e no país, já que a mensagem que é transmitida à sociedade, especialmente às crianças, é de violência e maltrato.

Após a divulgação da notícia, tornaram-se públicos relatos de habitantes de Nochistlán, também nomeado há alguns meses de Pueblo Mágico (Cidade Mágica), onde denunciam que as autoridades municipais têm usado carne com prego para dar aos cães que vivem nas ruas com o intuito de matá-los.

Os ativistas se reuniram no hospital veterinário Shnauzers, do médico Gumaro Tavizón García, que explicou que a raiva foi erradicada em Zacatecas há mais de 10 anos, além disso, no caso de cães agressivos há opções para tratar este tipo comportamento, ao invés de se desfazer deles com um disparo.

Indicou que uma das propostas é solicitar as instâncias competentes que retirem o título de Pueblo Mágico (Cidade Mágica) de Teúl de González Ortega, pois esta categoria não pode justificar os atos praticados pela administração deste município.

Esta segunda-feira (22) os ativistas voltaram ao Poder Legislativo, agora com um documento da Controladoria do Governo do Estado onde se argumenta que está nas mãos dos deputados poder intervir.

(Agência Anda)