Ao contrário de Dilma, mais da metade da comissão de impeachment é acusada por corrupção, afirma jornal

Deputados defendem impeachment de Dilma no plenário do Congresso (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

Deputados defendem impeachment de Dilma no plenário do Congresso
(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

De acordo com matéria do jornal estadunidense “Los Angeles Times” desta terça-feira (29), 37 dos 65 membros da comissão de impeachment da Câmara dos Deputados são acusados de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e outros.

A reportagem aponta que cinco integrantes da comissão já foram acusados por lavagem de dinheiro, seis por conspiração e 19 por irregularidades contábeis. Outros 33 enfrentam acusações de corrupção ou improbidade administrativa.

LEIA MAIS: Nenhuma OS se qualifica para gerir escolas e governador diz que não desistirá do projeto

O “Times” usou informações da ONG Transparência Brasil, que indicam que 303 dos 513 deputados federais foram acusados ou são investigados por envolvimento em crimes. No Senado, são 49 dos 81. Ao todo, a parcela investigada representa quase 50% dos parlamentares brasileiros.

Apesar de impressionantes, os dados da Organização não incluem as possíveis repercussões das planilhas da Odebrecht divulgadas pela Operação Lava Jato, que podem implicar mais de 300 políticos em crimes de caixa 2.

A publicação, no entanto, ressalta que Dilma nunca foi formalmente investigada nem é acusada de corrupção.

Impeachment

O processo de impeachment deve ser votado por dois terços da comissão de 65 deputados federais e depois será encaminhado para o Senado, Casa que selará o destino da presidente.