Projeto na Câmara obriga instalação de câmeras nos terminais de ônibus de Goiânia

Projeto determina que instalação seja custeada pelas concessionárias sem ônus para o passageiro

Projeto determina que instalação seja custeada pelas concessionárias sem ônus para o passageiro | Foto: Reprodução

Projeto determina que instalação seja custeada pelas concessionárias sem ônus para o passageiro | Foto: Reprodução

A vereadora Tatiana Lemos (PCdoB) apresentou na Câmara Municipal de Goiânia projeto que obriga a instalação de câmeras de monitoramento nos terminais de ônibus da capital nesta quinta-feira, 6.

Os locais que serão monitorados deverão ser selecionados pela Prefeitura considerando os maiores índice de assaltos apontados pelo último levantamento realizado pela Agência da Guarda Civil Metropolitana (AGCM).

Vereadora Tatiana Lemos (PC do B) | Foto: Câmara Municipal

Vereadora Tatiana Lemos (PC do B) | Foto: Câmara Municipal

O projeto estabelece que câmeras deverão ser instaladas pelas concessionárias e que as despesas da ação não poderão incidir na planilha de cálculos para aumento da tarifa. “A segurança é problema de todos nós e as empresas que exploram o transporte coletivo de passageiros não podem ficar a margem da situação atual de insegurança da população, que afinal de contas são os seus clientes”, argumentou a vereadora.

LEIA MAIS: Kajuru diz possuir lista com os maiores devedores de Goiânia e dispara: “São só ricos sonegadores”

Identificação

Segundo a parlamentar, os equipamentos de monitoramento deverão ter sensores que captem imagens em cores com resolução capaz de permitir a clara identificação de assaltantes, criminosos e suspeitos. As imagens deverão ficar acessíveis por um período de 120 dias à disposição do poder público e autoridades policiais quando solicitadas.

“Ninguém pode ficar omisso ou indiferente diante das situações de risco imposta por ações criminosas que sucedem em todos os cantos da cidade. Não existe mais o chamado público alvo dos criminosos, eles atacam trabalhadores, estudantes, crianças, jovens e idosos e levam de tudo, bolsas, celulares, fones de ouvido, relógios e até a marmita com alimentos”, afirmou Tatiana.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter