Deputado e ex-prefeito de Aparecida de Goiânia são condenados por improbidade e tem direitos políticos suspensos

Deputado Marlúcio Pereira, de Aparecida, defende padre Luiz / Foto: Divulgação

Deputado Marlúcio Pereira, de Aparecida, tem direitos políticos cassados / Foto: Divulgação

O deputado estadual Marlúcio Pereira, do PTB,  e o ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, José Macedo de Araújo, foram condenados por atos de improbidade administrativa e tiveram seus direitos políticos suspensos por cinco anos.

Segundo apontado em ação proposta pelo promotor Élvio Vicente da Silva em 2008, José Macedo de Araújo, que ocupava o cargo de prefeito de Aparecida de Goiânia, liberou verbas públicas do município para pagamento de brindes, distribuídos no evento denominado “Rodeio Show”, os quais acompanhavam um cartão de visitas de Marlúcio Pereira, e foram distribuídos por vários políticos em prol do deputado, que à época era candidato a prefeito de Aparecida de Goiânia.

Segundo sustentado pelo MP, os brindes, distribuídos no evento denominado “Rodeio Show”, possuíam também logomarca particular do então prefeito, a qual era amplamente utilizada por José Macedo no município, com o único objetivo de autopromoção. Conforme apontado pelo promotor, as despesas com logomarca e slogan pessoal, aliadas à publicidade em jornais e TV, buscavam a satisfação de interesses pessoais e, portanto, sem qualquer interesse público.

José Macedo

O ex-prefeito José Macedo se defende e diz que irá recorrer da decisão / Foto: divulgação

MP alega que ex-prefeito de Aparecida causou prejuízos ao erário

Assim, restou demonstrado que o então prefeito José Macedo, na gestão 2005/2008, feriu os princípios da legalidade e da moralidade administrativa, causando prejuízos ao erário, vez que utilizou da máquina administrativa em benefício do companheiro político Marlúcio Pereira, que, na época, já se dizia candidato ao cargo de prefeito do município de Aparecida de Goiânia, com intuito de angariar votos antecipadamente.

Na sentença, a juíza Vanessa Estrela Gertrudes observou que a alegação dos réus sobre a ausência de benefício próprio com a situação não deveria prosperar, já que basta que o agente concorra para a perda patrimonial ilícita do ente público para que reste configurada a improbidade administrativa. Ela acrescentou ainda que existiam inúmeras fotografias em que os dois réus apareciam em puro exibicionismo no evento Rodeio Show, restando clarividente a autopromoção de ambos.

Assim, a magistrada também condenou os réus ao ressarcimento integral do dano no valor de R$ 929.500,00.Confira aqui a decisão. O acompanhamento da ação está sendo feito pelo promotor Milton Marcolino, que está respondendo pela 18º Promotoria de Justiça de Aparecida de Goiânia. (Cristina Rosa / ASCOM MP-GO)

LEIA MAIS: Pastor diz que Gustavo Mendanha tem ‘chamado’ para ser prefeito de Aparecida de Goiânia 

Assim que tomou conhecimento do fato o deputado Marlúcio  divulgou nota em que desmente as informações e afirmando que não exercia nenhum cargo na Prefeitura de Aparecida à época em que a ação se refere e que irá recorrer da decisão no TJ-GO “onde a verdade triunfará”.

Veja a nota na íntegra:

Com relação à notícia veiculada pela imprensa na manhã desta quarta-feira,18, que envolve o ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, José Macedo de Araújo, o deputado Marlúcio Pereira (PSB) citado nas reportagens esclarece que não exercia qualquer cargo na Prefeitura Municipal na época dos fatos narrados e que portanto não pode ser citado, já que a denuncia diz respeito a administração do município, onde o parlamentar não atuava.

Indignado com as informações, que não esclarecem os fatos, o deputado Marlúcio Pereira vai levar o caso ao Tribunal de Justiça do Estado, onde a verdade triunfará.

Curiosamente a sentença foi proferida em setembro do ano passado, mas só foi levada a público quatro dias após ele divulgar sua pré-candidatura a Prefeitura Municipal. Mesmo diante desta perseguição política, Marlúcio Pereira garante que em nada muda seu projeto político para Aparecida de Goiânia, pois ele continua com todos seus DIREITOS POLÍTICOS EM DIA.