Jovair Arantes quer a presidência da Câmara dos Deputados

Após renúncia de Eduardo Cunha (PMDB), o deputado federal goiano está de olho em uma das posições mais poderosas da política brasileira

Deputado federal Jovair Arantes, relator da Comissão Especial da Câmara que aprovou parecer favorável à abertura do processo de impeachment (Foto: Guilherme Coellho/Folha Z)

Deputado federal Jovair Arantes (PTB) foi relator da Comissão Especial da Câmara que aprovou parecer favorável à abertura do processo de impeachment (Foto: Guilherme Coellho)

O deputado federal goiano Jovair Arantes (PTB) está de olho em uma das posições mais poderosas da política brasileira. Com a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados, a vaga está aberta para um mandato tampão, mas Arantes mira o início de 2017.

Aliado antigo de Cunha e valorizado pela sua ação à frente da relatoria do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), Jovair afirmou a colegas que só disputará o cargo no que vem, quando será definida a mesa diretora para os últimos dois anos de mandato.

LEIA MAIS: Uber em Goiânia: SMT diz que não vai multar ou apreender carros

A estratégia é trazer Rogério Rosso (PSD-DF) para jogada e conquistar o apoio do “centrão”, que tem partidos como PR, PSD, PRB e SD, além do PTB. Rosso presidiu a Comissão Especial do Impeachment na Câmara e chegou a ser apontado como adversário do goiano na disputa pela presidência.

O presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA) havia convocado eleição para a próxima quinta-feira (14), mas, em reunião, líderes adiantaram a votação para a terça (12).

PT

Para o Partido dos Trabalhadores, a renúncia de Cunha foi arquitetada como parte de um acordo entre partidos da oposição.

Parlamentares do PT e dirigentes do partido chamaram de “acordão” a renúncia de Eduardo da Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara. A avaliação foi feita ontem na página oficial do PT. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) citou até o presidente interino Michel Temer como parte do acordo:

“Renúncia de Cunha tem cheiro de pizza e o cozinheiro responsável é Michel Temer. A cena do crime está montada: Cunha renuncia à presidência da Câmara, mas mantém o mandato. Com isso, passa a articular a candidatura do seu sucessor, que terá a missão de evitar a cassação do chefe. Tudo com a conivência de PSDB e DEM e a regência do interino Michel Temer”, afirmou Lindbergh.