Jovair nega acusações que considera ‘injustas e tendenciosas’ contra o PTB

Por meio de nota, Jovair Arantes negou envolvimento com o caso e inclusive afirmou não conhecer nenhum dos supostos lobistas citados

Deputado federal Jovair Arantes (PTB) afirma não conhecer lobistas citados pela Veja em denúncia | Foto: Folha Z

Deputado federal Jovair Arantes (PTB) afirma não conhecer lobistas citados pela Veja em denúncia | Foto: Folha Z

Uma reportagem veiculada pela revista Veja em edição que chegou às bancas nesta sexta, 2, denunciou a existência de um esquema de corrupção no Ministério do Trabalho.

Segundo apurou a revista, lobistas ligados ao PTB teriam pedido R$ 4 milhões para liberar a execução de tarefas junto ao ministério.

A Veja também apontou que o grupo do deputado federal Jovair Arantes estava envolvido no esquema de propinas, o que foi negado pelo parlamentar.

Por meio de nota, Arantes negou envolvimento com o caso e inclusive afirmou não conhecer nenhum dos supostos lobistas citados.

O deputado ainda destacou que  a “reportagem faz ilações infundadas e injustas ao relacionar dois agentes públicos filiados ao PTB”.

LEIA MAIS: Ligada ao Governo de Goiás, TBC entrevista prefeito Iris Rezende

MT

O Ministério do Trabalho, por sua vez, alegou por meio de sua assessoria que nenhum valor foi pago como propina para a realização dos serviços da Pasta.

Confira o texto na íntegra: 

“Diante da reportagem veiculada pela Revista Veja no dia 2 de março, o Ministério do Trabalho esclarece que:

1. Recebeu uma solicitação de registro sindical para o Sindicato dos Transportes Rodoviários Autônomos de Veículos do Estado de Goiás em 06/07/2011. Por falha no preenchimento da solicitação pelo requerente, não foi gerado número de protocolo, o que impossibilitou a análise do pedido. O último trâmite do processo ocorreu em 04/10/2011.

2- Em 24/04/2012, a entidade fez um novo pedido, mas, de novo por falha no preenchimento, a análise não prosperou. O pedido foi considerado inválido no dia 10/07/2012.

3- No dia 11/07/2012, a entidade fez um novo pedido, que foi protocolado no dia seguinte sob o no. 46290.001353/2012-51 junto à Superintendência Regional do Trabalho de Goiás. O pedido, no entanto, foi negado em 13/04/2016 (publicado no Diário Oficial da União na mesma data) por conta de sobreposição de base sindical – a região já tinha um sindicato atuando no mesmo segmento.

4- A entidade entrou com recurso no dia 15/09/2016, cinco meses após o indeferimento, e, portanto, fora do prazo legal de 30 dias, como estabelece a Portaria 326, de 1º de março de 2013. Por essa razão, o pedido foi indeferido.

5- Como a própria reportagem aponta, nenhum funcionário do Ministério do Trabalho recebeu qualquer pagamento para efetivar registro sindical. As supostas irregularidades são tratadas por pessoas estranhas ao serviço público.

6- Apesar de confiar na seriedade e competência do corpo técnico do Ministério do Trabalho, o ministro substituto, Helton Yomura, pediu averiguação dos fatos, para que não pairem dúvidas sobre a lisura no tratamento da questão.

7- Por fim, cabe ressaltar que o titular da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE), Leonardo Arantes, não é secretário-executivo do ministério, nem responde por sindicatos na pasta, atribuição exclusiva da Secretaria de Relações do Trabalho (SRT).”

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter