Manifestantes invadem plenário da Câmara dos Deputados e pedem intervenção militar

"Nossa bandeira jamais será vermelha!" e "Viva Sérgio Moro", gritavam os manifestantes que forçaram entrada e quebraram vidro

Manifestantes invadem o plenário da Câmara dos Deputados em Brasília| Foto: Naira Trindade/Estadão

Manifestantes invadem o plenário da Câmara dos Deputados em Brasília| Foto: Naira Trindade/Estadão

Manifestantes invadiram na tarde desta quarta-feira, 16, o plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF) e gritaram palavras de ordem, como “viva Sergio Moro”, em referência ao juiz responsável pela Operação Lava Jato, “a nossa bandeira jamais sera vermelha” e cantaram o Hino Nacional.

Alguns deles também gritaram a favor de uma “intervenção militar”. Uma mulher usava uma blusa com a frase “intervenção já”.

A maioria não quis conceder entrevista, mas alguns afirmaram que o grupo reúne pessoas a favor de uma intervenção militar no país. Os manifestantes vieram de diferentes Estados.

Sobre o motivo do protesto, um participante afirmou: “Estão entregando o nosso País aos bandidos. A nossa riqueza está indo embora”, disse o manifestante enfurecido.

Informações preliminares apontam que o grupo seria de extrema direita adepta ao militarismo. O local foi invadido no momento em que os deputados discursavam à espera de quórum para o início da ordem do dia da sessão extraordinária.

O 1º vice-presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), suspendeu os trabalhos e pediu à polícia legislativa que removesse os manifestantes.

São cerca de 50 a 60 pessoas que tomaram o entorno da mesa de onde os membros da Mesa Diretora comandam os trabalhos. Eles não portam faixas ou qualquer forma que possa indicar com precisão se há vinculação com algum grupo organizado.

LEIA MAIS: Conheça os possíveis secretários de Iris Rezende na Prefeitura de Goiânia

Houve empurra-empurra entre policiais legislativos e manifestantes quando os agentes tentaram retirar parte dos ativistas do plenário. Uma porta de vidro na entrada do plenário foi quebrada com a confusão na entrada do grupo.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter