Nenhuma OS se qualifica para gerir escolas e governador diz que não desistirá do projeto

Marconi Perillo afirmou que OSs não serão descartadas (Foto: Reprodução)
Marconi Perillo afirmou que OSs não serão descartadas (Foto: Reprodução)

O modelo das Organizações Sociais na educação em Goiás sofreu mais uma derrota por falta de qualificação dos interessados. As entidades que se propuseram a assumir a gestão de escolas estaduais não atingiram os requisitos mínimos impostos pelo Governo.

De acordo com a coluna JOGO LIMPO, de Rodrigo Czepak, foi “uma vergonha sem tamanho para o governador Marconi Perillo e a secretária Raquel Teixeira”. Para ele, houve desgaste de ambos, que insistiram na realização de um processo tumultuado e sem amparo técnico.

LEIA MAIS: Credeq ganha apelido de “safadão” – JOGO LIMPO com Rodrigo Czepak

“Movimentos sindicais, professores e alunos venceram a batalha da mobilização e da convicção na falta de preparo de OS’s forjadas em cima da hora”, afirmou o colunista. O Colégio José Carlos de Almeida, no Centro de Goiânia, ficou ocupado por mais de três meses por alunos e simpatizantes indignados com a situação da Educação no Estado.

Segundo a coluna, “se insistirem no projeto, Marconi e Raquel correm o risco de perder o que ainda lhes resta de credibilidade na área da educação”.

LEIA MAIS: Contrários a novo modelo de gestão, estudantes afirmam que não vão desocupar as escolas

Marconi

Durante visita à secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce) na manhã desta segunda-feira (28/3), o governador Marconi Perillo afirmou que não existe a possibilidade de que o projeto seja abandonado: “Não há chance de recuo, estamos muito felizes com os resultados na Saúde e quando observamos as mudanças temos a certeza de que é possível fazer algo diferente, melhor”.