O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 5ª feira (11) que o auxílio emergencial poderá retornar em março e durar entre 3 e 4 meses.

O anúncio foi feito durante evento em Alcântara, no Maranhão.

Apesar disso, Bolsonaro voltou a citar que o auxílio é “emergencial” e é um “endividamento enorme” ao Brasil.

“Está quase certo, não sabemos o valor. A partir de março, 3, 4 meses. É o que está sendo acertado com o Executivo e com o Parlamento também, porque temos que ter responsabilidade fiscal”, disse.

Ainda no evento, Bolsonaro defendeu que voltar o auxílio não basta, é preciso que o comércio volte a atuar normalmente.

“Tem que acabar com essa histórica de ‘fecha tudo’. Devemos cuidar dos mais idosos e quem tem comorbidade. O resto tem que trabalhar. Caso contrário, se nos endividarmos muito, o Brasil pode perder crédito, daí a inflação vem, a dívida já está em R$ 5 trilhões, aí vem o caos, e ninguém quer isso aí”, alegou.

Valor do novo auxílio

Segundo estimativa da equipe econômica do Governo, o novo auxílio seria de R$ 200 em 3 parcelas.

Se a pandemia permanecer grave como está, com número elevado de mortes, uma “cláusula de emergência” teria que ser feita para garantir o equilíbrio fiscal.

A equipe de articulação política e econômica do governo estão em conversa com deputados e senadores para viabilizar a aprovação imediata dessa cláusula dentro da PEC do Pacto Federativo.

LEIA MAIS ➡️ Aparecida abre inscrições para sorteio de apartamentos populares


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook