Agricultor tem propriedade tomada pelo banco por dívida de R$ 1.300

Marcos Winter, morador de Santa Catarina, contratou a carta de crédito para plantar milho e feijão, mas perdeu o sítio avaliado em R$ 250 mil na época. Ele foi despejado, contratou advogados e a briga foi parar no STJ

agricultor propriedade Banco Brasil
Agricultor perdeu propriedade por conta de dívida no Banco do Brasil | Foto: Reprodução

A história de um agricultor de Santa Catarina, que perdeu a propriedade avaliada na época em R$ 250 mil por conta de uma dívida de R$ 1 mil em um banco chocou o país.

“Eles chegaram de manhã, com a polícia, e nos tiraram à força. Todo dia me lembro da minha propriedade”, chorou o pobre homem.

“Ele tinha animais e nem deu tempo, nem deixaram ele tirar os bichos, apenas colocaram tudo numa carroça e o mandaram embora sob ameaças de agressão e de prisão”, disse a advogada do pobre e injustiçado agricultor.

Houve inclusive uma campanha na internet para que o morador de Santa Catarina retomasse o bem.

Você se lembra dessa história? Se a resposta for negativa, vamos relembrar.

Relembre a história do agricultor que perdeu a propriedade para o banco

Em 1997, Marcos Winter, morador de Matos Costa (SC), contratou o empréstimo de R$ 1.387 no Banco do Brasil de Porto União (a 34 km de sua cidade) para plantar milho e feijão.

A carta de crédito venceu em 20 de outubro de 1998 e o agricultor decidiu não pagar a dívida, alegando que as plantações “não tiveram a qualidade esperada”.

Com a dívida atualizada para R$ 3.343 em 2003, o Banco do Brasil propôs execução do empréstimo.

No ano seguinte, a Justiça autorizou a penhora de bens móveis de Marcos. No entanto, o oficial designado disse que só havia encontrado uma TV de 14 polegadas e uma antena parabólica.

Um mês após a diligência, 1 alqueire de terra (o que representa a 20% do sítio) foi entregue ao banco como garantia.

Em 2005, a propriedade foi avaliada em R$ 11,2 mil e penhorada em sua totalidade. Na opinião da defesa, a avaliação foi abaixo do valor de mercado e a penhora foi ilegal, já que o sítio era o único imóvel do agricultor.

Para tentar resolver o caso, Winter contratou advogado em 2006, que alegou que a propriedade era rural e bem de família.

Contudo, as provas foram consideradas insuficientes e as alegações foram rejeitadas.

A propriedade então foi vendida em leilão em 2007 por R$ 14,2 mil e arrematada por uma advogada da cidade.

 

O agricultor então contratou outra pessoa para defendê-lo na Justiça em 2008.

Em 23 de março de 2009, o homem foi despejado da propriedade.

Mas a advogada conseguiu retomar o bem para o agricultor alegando que a dívida estava prescrita e que o sítio era propriedade rural.

Mas o Banco do Brasil e a arrematante recorreram. Ela disse que comprou o sítio em leilão e que “bem arrematado de boa fé” é irrevogável.

Já a instituição financeira alegou que a carta de crédito tinha “prorrogação automática de vencimento”.

Foi parar no STJ

Como último capítulo da história, em 2014, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que a dívida estava prescrita quando foi cobrada.

Além disso, o órgão máximo decidiu que o sítio é propriedade rural destinada à agricultura de subsistência e nega prosseguimento de recursos do banco e da arrematante.

Assista ao vídeo também para relembrar o caso:

LEIA MAIS ➡️ Foto de garis em oração antes do trabalho emociona em Goiás


Acompanhe tudo que acontece em Goiás seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook