Mudinho, conhecido da região da Cidade Livre, é morto a facadas

CPE já prendeu um suspeito, identificou outros envolvidos e apreendeu a arma do crime. Morte gerou comoção entre conhecidos da vítima

Mudinho morto facadas
Mudinho era conhecido na região da Cidade Livre | Foto: Reprodução

Conhecido da região da Cidade Livre, em Aparecida de Goiânia, um homem de 35 anos foi morto a facadas na noite desta 3ª feira (5).

Mudinho, como era apelidado, foi agredido com socos, pontapés e atingido com 2 golpes de faca.

O crime aconteceu na Rua Dom Barbosa, no Jardim Cristalino, em Aparecida.

A morte de Mudinho gerou comoção nas redes sociais. Conhecidos apontam seu “bom humor” e “simpatia”.

Ele andava pela região da Cidade Livre e participava frequentemente de feiras e outros eventos populares na cidade.

ambulância socorre Mudinho
Mudinho chegou a ser socorrido, mas não resistiu | Foto: Reprodução

Suspeito preso

Na tarde desta 4ª feira (6), um suspeito do homicídio foi preso e a arma do crime foi apreendida pela Companhia de Policiamento Especializado (CPE).

Segundo o batalhão, outras pessoas envolvidas também já foram identificadas.

Ainda conforme a CPE, câmeras de segurança de uma distribuidora de bebidas flagraram o momento em que uma mulher tentou se desfazer da arma do crime.

mudinho faca
Câmera de segurança flagrou quando uma mulher tentou se desfazer da faca | Foto: Reprodução
arma do crime Mudinho
Arma do crime foi apreendida pela CPE | Foto: Reprodução

Investigações

O caso está sendo apurado pelo Grupo de Investigações de Homicídio (GIH) da cidade.

A Folha Z entrou em contato com a Polícia Civil (PC) para obter mais informações sobre o crime.

Segundo a delegada Cybelle Tristão, o inquérito ainda está sendo levantado.

Porém, testemunhas apontam que Mudinho foi morto após um desentendimento com os suspeitos, que ingeriam bebidas alcoólicas em frente à distribuidora.

LEIA MAIS ➡️ CPE Aparecida fez 15 mil abordagens e recuperou 84 veículos em 2020


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook