O cio da Loba dourada

Poema de João Carlos
Poema de João Carlos

Ainda consigo assistir

O pingo de chuva deitado

Na rosa vermelha nascida por acaso

Num jardim perdido… abandonado.

Daqui de onde estou

Me delicio com uma brisa fresca e inesperada

Que anuncia a chegada

De uma estação já muitas vezes vivida

Mas também posso ouvir a gargalhada sonora

Que escapa da garganta

Da dama loura cintilante… alucinada

Vejo ate a fumaça cinzenta de seu cigarro…

O resto de uísque em uma taça suja de batom

Esquecida na bancada.

Ouço repetidamente uma triste canção de Piaf

Que nunca acaba

A porta fechada… o sussurro… o gemido…

O ruído indiscreto da cama…

A risada abafada…A colônia vencida…

O cheiro forte de amor que envolve a louca loba cansada.

E ao fim de tudo vem a explicação

De um começo… de um meio…

De uma situação mal resolvida…

De uma historia mal acabada…

 

(João Carlos)

Comentários do Facebook