O reino das pensões – JOGO LIMPO com Rodrigo Czepak

Rodrigo Jogo Limpo

Daniel Antônio: ex-prefeito de Goiânia / Foto: reprodução Youtube
Daniel Antônio: ex-prefeito de Goiânia / Foto: reprodução Youtube

O reino das pensões

O poder da caneta é indescritível. Traz aquela sensação ao governante do “tudo posso, tudo resolvo”. No momento em que as três esferas do poder público – federal, estadual e municipal – deveriam priorizar cortes e enxugamento com folha de pessoal, o que se vê nos Diários Oficiais é o oposto: um festival de nomeações e concessão de pensões sem o menor controle. O caso mais recente envolve o ex-prefeito de Goiânia Daniel Antônio, beneficiado pelo governador Marconi Perillo com pensão de pouco mais de R$ 3 mil.

Viúva sacrificada

A concessão do benefício pode parecer coisa pequena, muito pequena, mas não é. Nada contra Daniel Antônio e a justificativa de dificuldade financeira na faixa etária dos 70 anos. O problema é que tudo recai sobre as costas do poder público, a famigerada Viúva. São dezenas, centenas os casos de ex-governadores, ex-senadores, ex-deputados, ex-prefeitos e por aí vai, beneficiados com dinheiro do contribuinte. O dono da caneta hoje é Marconi, mas medidas semelhantes também foram tomadas no passado pelos ex-governadores Santillo, Iris, Maguito e Alcides.

Conta nunca fecha

O mesmo paralelo pode ser aplicado à presidente Dilma Rousseff e aos ex-presidentes Lula, FHC, Itamar, Collor e Sarney. Ninguém escapa ao desejo de colaborar com a sobrevivência de pessoas públicas que, no passado, prestaram relevantes serviços aos municípios, aos estados e ao país. Eis o motivo, aliado aos flagrantes casos de corrupção, que explica o fato de sempre faltarem recursos para saúde, educação, assistência social e meio ambiente.

Segundo o vice-prefeito de Goiânia, Agenor Mariano (PMDB), o candidato a governador do PSB não tem nenhuma chance de virar pra cima de Iris
Agenor se viu praticamente sozinho na empreitada, bombardeado por vereadores do partido e com apoio público moderado do ex-prefeito Iris Rezende / Foto: divulgação

 

Acabou, Agenor?

Vice-prefeito de Goiânia, Agenor Mariano (PMDB) cumpriu fielmente a missão de espinafrar a desgastada gestão do prefeito Paulo Garcia (PT). Para isso não economizou nos termos chulos, contrariando sua orientação evangélica. Quando imaginava que seria o principal pivô do divórcio entre PT e PMDB na capital, Agenor se viu praticamente sozinho na empreitada, bombardeado por vereadores do partido e com apoio público moderado do ex-prefeito Iris Rezende.

Tamanho da lealdade
O segundo homem na hierarquia municipal está aprendendo, na prática, que lealdade cega na vida pública tem um preço indigesto. Agenor só virou secretário de Administração, vereador e agora vice-prefeito de Goiânia graças a Iris Rezende. Tem enorme gratidão pelo apoio. Mas isso não é suficiente para transformá-lo em protagonista, a ponto de partir para o tudo ou nada. Pequeno entre Iris e Paulo, Agenor corre o risco de ficar totalmente desmoralizado no caso de uma reaproximação PMDB-PT.

Hortência Adeus, Playboy!

Ter sido correspondente da Revista Placar por quase 20 anos me aproximou da Revista Playboy. Virei colaborador em algumas edições, leitor voraz das matérias, entrevistas e observador atento das beldades nuas. Apenas uma capa passou dos limites no critério propaganda “totalmente” enganosa: Hortência, rainha do basquete. Acredito que ela própria tenha vergonha da “transformação” que fizeram no seu corpo. Um registro em forma de lamento pelo fim do ciclo da Revista Playboy.

Comentários do Facebook