Overdose de viagra: veja o que acontece se você exagerar no azulzinho

Overdose de viagra pode resultar em impotência, infarte e até morte | Foto: Reprodução
Overdose de viagra pode resultar em impotência, infarte e até morte | Foto: Reprodução

Apesar de ser eficaz no combate à disfunção erétil e à impotência sexual, o viagra pode trazer também malefícios caso não seja usado com responsabilidade. Mas será possível uma overdose de viagra?

Segundo matéria do britânico “Daily Mail“, a overdose de pílula azul existe e pode resultar até em morte. O caso mais recente foi no início de 2017, quando um nigeriano casado, de 30 anos, foi encontrado morto em um quarto de hotel após ingerir quantias excessivas do remédio e acabou tendo um ataque cardíaco.

Causa da morte de nigeriano foi overdose de viagra | Foto: Reprodução
Causa da morte de nigeriano foi overdose de viagra | Foto: Reprodução

A possibilidade foi ainda expandida por pesquisadores da Universidade Estadual da Califórnia, que constataram que o uso recreacional do viagra está associado com outras drogas. O problema é que, de acordo com a bula do remédio, combiná-lo com outros compostos de nitrato reduz a pressão arterial, causando tontura e fraqueza ou até mesmo ataques cardíacos e derrames.

LEIA MAIS: A secreta ligação entre sexo oral e o alfabeto [+18]

Ereção “interminável”

Além das complicações cardíacas, a overdose de viagra também pode ter como resultado o priapismo, ereção dolorosa que pode durar mais de 4 horas sem ejaculação.

Nesses casos, uma intervenção médica urgente é necessária para que o órgão sexual volte ao estado normal. Do contrário, o priapismo pode resultar em impotência permanente e até mesmo amputação.

Dosagem

A dosagem recomendada pelos médicos é de, no máximo, 50 mg de viagra por dia. O medicamento deve ser ingerido um hora antes da relação sexual e em apenas uma dose por dia. Detalhe: nada de misturá-lo a outras drogas com mesma finalidade.

LEIA MAIS: A verdade que ninguém te contou sobre orgasmos múltiplos

No entanto, deve-se consultar um médico antes de fazer o uso do medicamento, até porque, no Brasil, a compra só pode ser realizada após apresentação de receita assinada por um especialista.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter

Comentários do Facebook