PMDB: o capital que faltava ao homem do dinheiro

Marcos Marinho: professor e consultor de Marketing Político. Diretor da empresa M. Marinho Marketing. Twitter: @mmarinhomkt
Marcos Marinho: professor e consultor de Marketing Político.
Diretor da empresa M. Marinho Marketing.
Twitter: @mmarinhomkt

Uma das grandes satisfações de um professor é ver o mercado comprovando para seus alunos teoria que foi trabalhada várias vezes em sala de aula. Nas turmas de marketing político disseminamos o conceito de que: “não se ganha eleição só com dinheiro, mas também não se ganha sem ele!”. Os últimos acontecimentos da política goiana, mais especificamente o anúncio de filiação de Júnior Friboi – até então PSB – ao PMDB de Iris Rezende, comprova isto.

Associação inequívoca

A junção Friboi/PMDB representa uma associação inequívoca entre capital político (Iris) e capital financeiro (Friboi). Esta composição agrega valores a ambos os lados e mexe com todo o cenário pré- projetado para 2014.

Os anseios dos protagonistas desta união são claros: um deseja ser governador e o outro deseja derrotar o atual governador. Como farão isto, juntos, é que ficará em suspenso, provavelmente até o início do próximo ano.

Outro ponto relevante proporcionado por esta filiação é a diversidade de sentimentos e perspectivas que foram alteradas, em vários atores políticos que tentavam organizar suas trajetórias em direção ao próximo pleito. Estes, possivelmente, precisarão reavaliar suas estratégias e pretensões.

Fraternidade PT/PMDB

Havia até então uma dúvida sobre a manutenção da fraternidade PT/PMDB em 2014. Ambos alardeavam o lançamento de candidaturas majoritárias, mas nada ainda era concreto. Definitivamente este impasse toma outros contornos. Caberá ao PT assumir a postura de vice, caso o PMDB assim aceite.  Particularmente, pela movimentação da sigla estrelada e pelo próprio momento político, não acredito que isto deva acontecer.

É importante avaliarmos que esta migração do empresário/político para o tradicional partido irista não deve ser recebida apenas com flores e carinhos. Afinal, existem sob o manto do movimento democrático brasileiro vários correligionários almejando há tempos ascender ao posto de protagonista no partido. Não deve estar sendo, pelo menos por enquanto, completamente palatável para os famintos pelo poder o gosto deste estratagema proporcionado pela alta cúpula do partido. Apesar disto, todos sabem que precisam, individualmente e em nível partidário, da nutrição que será proporcionada pelo farto pasto pertencente ao homem acostumado a negociar em arrobas.

Tabuleiro político

Invariavelmente esta movimentação no tabuleiro político goiano obrigará aos outros jogadores interessados nas eleições vindouras reavaliar suas estratégias. Certamente, até ao atual dono da bola – o governador Marconi Perillo – que até então figurava, mesmo que pela incerteza e falta de nomes opositores, como o mais forte candidato ao certame.

Os próximos movimentos, nas peças dispostas para o embate eleitoral do subsequente ano, cabem às outras correntes partidárias. A situação buscará se fortalecer, terceiras vias tentarão se consolidar, o PT reavaliará suas posturas e opções, e os partidos menos expressivos procurarão aproximar-se dos lados que entenderem com potenciais vitoriosos.

Como sempre, o povo permanecerá assistindo suas novelas, polemizando sobre o preço dos legumes e a orientação sexual das celebridades. Tangidos pela mídia e alimentados com o pão e circo que lhes garantem os assuntos nas rodas e redes de bate papo, os eleitores deixarão para o ano que vem o pensar nisto! Mas só depois da Copa.

 

 

Comentários do Facebook