A ligação entre o serial killer e o Padre Luiz Augusto

Elaboração do livro, que já tem até capa e será impresso em junho, foi feita com ajuda do Padre Luiz Augusto | Foto: Reprodução
Elaboração do livro, que já tem até capa e será impresso em junho, foi feita com ajuda do Padre Luiz Augusto | Foto: Reprodução

Preso em outubro de 2014 após confessar 39 homicídios, o serial killer Tiago Henrique Gomes da Rocha lançará um livro em junho. Apesar de a informação não ser nova, um detalhe chamou a atenção dos goianienses: o polêmico padre Luiz Augusto Ferreira da Silva acompanhou a produção da obra.

O religioso foi exonerado do cargo de analista legislativo na Assembleia Legislativa de Goiás sob suspeita de ser um funcionário fantasma, que recebia sem trabalhar. Ele conheceu o assassino confesso devido ao seu trabalho social de mais de uma década com detentos do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Desde a prisão do vigilante Tiago da Rocha, o pároco passou a visitá-lo diariamente. No período, Luiz Augusto ajudou o serial killer a editar o livro, a obra já foi para a gráfica, já tem arte final para a capa e aguarda apenas a impressão.

LEIA MAIS: Vereador Alysson Lima posta vídeo de criança sem cinto em viatura da PM: “Revoltante”

O livro será intitulado “Um pouco da história por trás de um serial killer” e será dividido em duas partes. A primeira é um relato de Tiago sobre sua vida como assassino em série e a segunda, sobre sua conversão ao protestantismo.

Outro lado

Depois da repercussão de que estaria envolvido com o livro, o padre foi ao Facebook e publicou uma nota de esclarecimento. No texto, o religioso afirmou que a obra foi escrita somente por Tiago, que nela relata seu arrependimento e conversão.

“Lamento profundamente a repercussão da possibilidade do lançamento de um “livro” pelo Tiago Henrique como se fosse algo absurdo”, escreveu. Confira o relato completo:

Polêmico padre Luiz Augusto Ferreira da Silva foi exonerado da Assembleia Legislativa de Goiás sob suspeita de ser funcionário fantasma | Foto: Reprodução
Polêmico padre Luiz Augusto Ferreira da Silva foi exonerado da Assembleia Legislativa de Goiás sob suspeita de ser funcionário fantasma | Foto: Reprodução

Nota de esclarecimento

“As considerações veiculadas nas redes sociais, conforme me foram repassadas logo de manhã, não têm nenhum fundamento.

Vou ao complexo penitenciário para evangelizar, não para concordar com o crime cometido por nenhum dos reeducandos. Quanto ao “livro”, não há participação de nenhuma outra pessoa; o Tiago Henrique é o único redator, cuja proposta é mostrar o seu arrependimento e também o seu processo de conversão.

“Em que momento do meu passado perdi o controle? Tenho dentro de mim um sentimento forte, é uma pena eu não ter direcionado esse sentimento para o caminho certo mas nunca é tarde para isso’’ (…) Trecho do livro

Familiares de algumas vítimas já expressaram, por meio de cartas, o perdão ao Tiago Henrique, mesmo vivendo uma dor irreparável. Acredito que esta é a atitude cristã: condenar o pecado e acolher o pecador, oferecendo-lhe a possibilidade de uma vida nova.

O que causa toda essa repercussão, pelo fato do lançamento de um “livro” por um reeducando, é justamente por muitos não crerem nessa possibilidade. O que coloca em choque não apenas a fé cristã, mas também o judiciário. Como fica então a pratica do evangelho: “estava na prisão e viestes a mim? ”

O Deus que consola os familiares das vítimas, é o mesmo Deus que perdoa e não desiste da salvação de todos nós pecadores.”

Pe. Luiz Augusto

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter

Comentários do Facebook