Professor Alcides | Foto: Michel Jesus / Câmara dos Deputados
Professor Alcides | Foto: Michel Jesus / Câmara dos Deputados

O deputado federal Professor Alcides (PP) emitiu uma nota nesta 2ª feira (19) justificando o gasto de combustíveis do seu gabinete.

O assunto foi tema de uma matéria veiculada pelo Fantástico, da Rede Globo, na noite de domingo (18).

De acordo com o deputado, os gastos mais elevados foram ocasionados pelas viagens que sua equipe faz pelo Estado de Goiás levando cestas básicas e alimentos adquiridos com seus recursos próprios.

“Como deputado não posso me omitir à crise sanitária e econômica e às necessidades das pessoas, por isso ajudo a quem posso e não gasto o dinheiro do povo em vão. Sou deputado para quê?”, pontuou.

Leia o pronunciamento na íntegra: 

A respeito da matéria veiculada pelo Fantástico/TV Globo neste domingo, 18/04/2021, o deputado federal Professor Alcides (Progressistas) tem a dizer:

Em momento algum fez uso indevido de verba pública, aliás, o próprio salário é doado para obras sociais.

Seus gastos são transparentes e os R$ 6 mil relatados em 17 vezes mensais não somam nem de perto o que é gasto por mês com combustível pelo deputado atendendo às suas bases.

Em momento de crise sanitária, de pandemia do novo coronavírus e de crise financeira, o deputado intensificou seu trabalho social e distribui cestas básicas, arroz, feijão e óleo comprados com dinheiro próprio, em várias cidades e acampamentos de Goiás.

Num momento em que o Brasil vive em estado de calamidade pública, não dá para discutir se o combustível foi gasto para distribuição de cestas básicas para quem estava passando fome. “O dinheiro é público e deve ser utilizado para servir as pessoas”, disse o parlamentar.

“Como deputado não posso me omitir à crise sanitária e econômica e às necessidades das pessoas, por isso ajudo a quem posso e não gasto o dinheiro do povo em vão. Sou deputado para quê?”, indagou.

Professor Alcides requer que valor da alimentação por aluno seja dobrado


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook