Marcos Cabral | Foto: Reprodução
Marcos Cabral | Foto: Reprodução

Marcos Cabral negou que haja qualquer indisposição à sua gestão no comando da Codego (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás).

Reportagem da Folha Z apontou que alguns servidores teriam levado reclamações sobre o presidente à 1ª dama, Gracinha Caiado.

Cabral, porém, garantiu que a resistência que havia lá dentro acabou.

“A resistência era de pessoas desonestas e o governador [Ronaldo Caiado] demitiu quem resistiu ao bom andamento do serviço”, disse.

Segundo ele, a nova gestão da companhia adotou “transparência, economia e trabalho diuturno”, o que não teria agradado “meia dúzia daqueles que não querem o bem da população”.

Articulação política

Cabral ainda comentou sobre a articulação política desenvolvida pela base de Caiado em Aparecida de Goiânia.

Interlocutores da política aparecidense apontavam que Cabral seria o responsável pelo trabalho no município.

O presidente da Codego negou, apontando que seu papel é somente “fazer um elo administrativo” com as prefeituras.

Segundo ele, a “questão política é exclusiva do governador, que é o articulador político em Aparecida”.

Caiado está irritado com o Governo Federal


Quer receber notícias da política de Goiás?

Você está convidado a fazer parte de um grupo altamente bem informado sobre os rumos do Estado.

É só seguir a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook