Coleta de esgoto ainda é um problema em Aparecida de Goiânia | Foto: Claudivino Antunes
Coleta de esgoto ainda é um problema em Aparecida de Goiânia | Foto: Claudivino Antunes

Com apenas 23,83% atendida pela coleta de esgoto, Aparecida de Goiânia está entre as 10 piores cidades em relação ao tema em todo o Brasil.

É o que mostra o Ranking do Saneamento Básico nos 100 maiores municípios brasileiros, divulgado nessa 3ª feira (10).

O estudo foi realizado pelo Instituto Trata Brasil e GO Associados com base nos dados mais recentes do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), referentes a 2018.

Segundo os números, Aparecida ocupa a 9ª posição entre as 10 cidades com piores índices de coleta de esgoto.

O levantamento aponta que a cidade também está entre aquelas com piores índices de atendimento de água: apenas 64,90% de cobertura.

Por outro lado, o estudo destaca que, no período, Aparecida está entre as que mais investiram no setor, proporcionalmente à arrecadação.

Responsabilidade

Para os pesquisadores, o levantamento mostra a responsabilidade de prefeitos e governadores [em caso de regiões metropolitanas] em avançar os indicadores de água e esgotamento sanitário no país.

“É de responsabilidade do Poder Executivo municipal a titularidade do saneamento. Já nas Regiões Metropolitanas, a decisão do STF, desde 2013, é de que as decisões sejam compartilhadas entre os municípios e estado”, apontou o relatório.

Prefeitura de Aparecida e Saneago

A reportagem procurou a Prefeitura de Aparecida, que, por meio de nota, afirmou que mantém conversa com a Saneago, concessionária do serviço, para levar o saneamento básico para a população da cidade. Leia:

“A Prefeitura de Aparecida de Goiânia explica que os serviços de água e esgoto no município são de responsabilidade do Governo do Estado, por meio da Saneago.

Explica que mantém ampla conversa com a estatal, que subdelegou os serviços de esgoto para a BRK Ambiental, para que os benefícios do saneamento básico cheguem o quanto antes para a população da cidade, proporcionando maior cidadania e qualidade de vida a todos.”

Já a estatal de saneamento ressaltou que os dados do ranking referem-se a 2018, ano em que “os investimentos e obras da companhia estiveram suspensos devido à Operação Decantação”.

Ainda de acordo com a companhia, se atualizado, o percentual de coleta de 23,83% citado no relatório teria para 50,8%, sendo estendido para quase 290 mil pessoas.

Confira a nota na íntegra:

“A Saneago informa que o Ranking do Saneamento 2020 foi elaborado com base em dados do SNIS do ano de 2018. Naquele ano, os investimentos e obras da companhia estiveram suspensos devido à Operação Decantação.

Desde então, a companhia já expandiu consideravelmente o sistema de esgotamento sanitário no município de Aparecida de Goiânia. O percentual de coleta de 23,83% citado no relatório subiu para 50,8% segundo as informações mais atualizadas, beneficiando uma população de quase 290 mil pessoas.

Os investimentos foram da ordem de R$ 104 milhões em 2018, para a implantação de 271 km de redes, coletores e interceptores, além de investimentos na segunda etapa da ETE Santo Antônio. Em 2019, mais R$ 93 milhões foram investidos no município, distribuídos em 180 km de redes e ampliação do tratamento de esgoto, o que possibilitou a liberação de 24 mil novas ligações de esgoto, distribuídas em bairros como Garavelo, Garavelo Park, Cidade Vera Cruz, Bairro Hilda, Jardim Helvécia, entre outros.

Nesta categoria, inclusive, o próprio estudo menciona Aparecida de Goiânia sob viés positivo. A cidade está classificada entre as 10 com melhor indicador de investimento sobre a arrecadação. No caso, 71,6%.

A Saneago ressalta que a curva de investimentos em Aparecida de Goiânia no próximo relatório (relativo ao ano de 2019) deverá apresentar essa mudança.”

Confira a íntegra do relatório sobre o saneamento no Brasil:

Saneago não instala bloqueador de ar e vereadores planejam ir ao MP


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook