Governador Ronaldo Caiado durante lançamento do Expresso, nova plataforma que oferece 70 serviços do Estado, todos disponíveis por meio virtual | Foto: Wesley Costa
Governador Ronaldo Caiado durante lançamento do Expresso, nova plataforma que oferece 70 serviços do Estado, todos disponíveis por meio virtual | Foto: Wesley Costa

O Governo de Goiás lançou nesta 2ª feira (17), o Expresso, nova plataforma que oferece 70 serviços da gestão pública, todos disponíveis por meio virtual.

“Tiramos Goiás da fase analógica para a digital”, comentou o governador Ronaldo Caiado, ao observar que o Estado tem a “obrigação de devolver à sociedade o tempo perdido”.

O acesso à plataforma está disponível por meio de aplicativos, pelo site www.expresso.go.gov.br e terminais de autoatendimento em unidades do Vapt-Goiás.

Para receber o serviço, os municípios terão que assinar convênio com o Governo do Estado.

Hoje, já foi lançado um chamamento público para que as prefeituras interessadas se inscrevam e façam a adesão ao Expresso Balcão.

O que já está disponível

Neste início, por meio do Expresso, estão disponíveis serviços como emissão de 2ª via da conta de água da Saneago, de boletos do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás (Ipasgo), de guia de trânsito animal e de certidão negativa de débitos da receita estadual.

A abertura de reclamação junto ao Procon-GO e o licenciamento anual de veículo junto ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran-GO) também estão na ferramenta.

As pessoas que não têm acesso à internet em casa ou dificuldade com as diversas plataformas digitais também terão oportunidade de agilizar o atendimento com o uso dos totens, que serão instalados nos municípios.

“O Balcão Expresso vem como complemento de um dos modais para dar acesso ao cidadão, talvez mais idoso ou com pouco acesso à internet ou instrução digital”, destacou o secretário de Administração, Bruno D’Abadia.

Pesca esportiva é liberada no Araguaia; acampamentos continuam proibidos


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook