Motoristas de ônibus da região metropolitana afirmam que vão entrar de greve a partir da próxima 2ª feira (9).

A paralisação pode atingir a Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC), Rápido Araguaia e Metrobus.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo Urbano de Goiânia e Região Metropolitana (SindColetivo), os profissionais cobram reajuste de 6% no salário base dos condutores.

Além disso, eles exigem também 10% no vale alimentação para motoristas com carga horária de 25 e 44 horas semanais.

O sindicato explica ainda que as negociações acontecem desde janeiro deste ano.

Greve aprovada

De acordo com o presidente do SindColetivo, Sergio Reis Araújo, a greve foi aprovada em assembleia e pode encerrar conforme as propostas das empresas.

“Nossa intenção é não recuar. Não iremos aceitar perder direitos”, disse.

Ainda conforme o sindicato, a insatisfação da categoria também é com a proposta do parcelamento do 13º salário e o cancelamento do kit natalino.

Responsáveis pela fiscalização também podem aderir à paralisação.

As empresas

Em nota, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano e Passageiros da Região Metropolitana de Goiânia (SET) disse estar ciente da possibilidade de greve dos motoristas.

Apesar disso, as empresas alegam que não há uma “conjuntura ideal para discutir a recomposição dos vencimentos da categoria, o que traria ainda mais graves consequências como demissões, paralisação da operação ou redução drástica da oferta à população.”

O presidente do SET Adriano Oliveira afirmou também que não descarta uma negociação, mas que o momento não é ideal para reajustes.

LEIA MAIS ➡️ Homem morre após acidente entre motocicletas na capital


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook