Itambezinho não estava contaminado; polícia investiga envenenamento

Lote de Itambezinho não apresentou irregularidades (Foto: Reprodução)
Lote de Itambezinho não apresentou irregularidades (Foto: Reprodução)

Em caso que repercutiu por todo o Brasil nos últimos dias, dois homens foram presos pela Polícia Civil do Mato Grosso sob suspeita de terem envenenado o achocolatado que seria a causa da morte de uma criança de dois anos em Cuiabá.

Segundo a mãe do garoto, a vítima passou mal instantes após consumir o achocolatado Itambezinho. Depois de uma parada cardiorrespiratória, ele morreu na Policlínica do Coxipó. A mãe também relatou que um vizinho teria dado caixas do produto a ela.

LEIA MAIS: Populares enfrentam PM, invadem hospital e matam suspeito de latrocínio em Goiandira

Apesar de não ter dado mais detalhes a respeito das prisões, a polícia confirmou que não considera mais a hipótese de erro no processo de fabricação do achocolatado. Mas ainda não foram apresentados laudos que confirmem o envenenamento.

Caso

A Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) chegou a determinar o recolhimento de um lote do Itambezinho e suspensão da venda por 90 dias em todo o Brasil depois de vir a tona o caso de uma criança morta depois de ingerir o produto.

A fabricante, Itambé Alimentos S/A, divulgou que análises do lote mencionado não apontaram nenhuma irregularidade.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter

Comentários do Facebook