Motorista de ônibus é espancado ao não parar em local desejado por passageiro

A linha 020 é conhecida por ser uma das mais lotadas da região metropolitana da capital | Foto: Reprodução / ÔnibusBrasil
Durante o trajeto da linha 020, o motorista foi agredido por passageiro | Foto: Reprodução / ÔnibusBrasil

Um motorista de ônibus da Rede Metropolitana de Transportes Coletivos da Grande Goiânia (Rmtc) foi espancado por um passageiro na manhã desta terça-feira (28) enquanto estava no cruzamento Avenida Leopoldo de Bulhões com a Marginal Botafogo, no Setor Pedro Ludovico.

O caso aconteceu na linha 020, que se inicia no Terminal Garavelo, em Aparecida de Goiânia, e vai até o Terminal da Praça da Bíblia, na capital. A linha é conhecida por ser uma das que mais leva passageiros entre a região metropolitana de Goiânia.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o passageiro pediu para que a vítima parasse fora do ponto. O motorista não parou no local pedido pelo passageiro e teve ferimentos no rosto e o vidro do ônibus ao lado do motorista foi quebrado.

Segundo a Rmtc, a vítima não tinha nenhuma obrigação de parar no local desejado pelo passageiro e a agressão do suspeito foi infundada e motivada por uma raiva desconhecida.

A vítima acionou a Polícia Militar. Ainda de acordo com a Rmtc, ele teve o nariz fraturado ao levar dois chutes do passageiro. O suspeito teria pulado a catraca, agrediu o motorista, quebrou a porta dianteira e fugiu.

LEIA MAIS: Filho faz denúncia em rede social contra violência doméstica sofrida pela mãe

isabela albuquerqueOpinião por Isabela Albuquerque, repórter do Folha Z

Veja como os papéis na nossa sociedade estão completamente quebrados: o passageiro se sentiu no direito de agredir alguém apenas porque sua vontade não foi cumprida. Deu dois chutes no motorista, pois ele se recusou a parar no local pedido, que não era nenhum ponto de ônibus previamente marcado por onde a linha 020 passa. Não se sabe a motivação inicial da raiva do suspeito, mas por que ele não poderia lidar com o fato mais tranquilamente? Até que ponto teremos que conviver com pessoas a ponto de ebulição que ainda acreditam estar certos ao agredir alguém?

Quando a justiça brasileira começar a julgar e condenar tais acontecimentos; quando as propostas de políticas públicas começarem a dar certo; quando os políticos pararem de nos tratar de maneira tão inofensiva; quando a população tomar consciência de seus votos; com certeza iremos diminuir os pontos de ebulição da nossa sociedade.

Comentários do Facebook