O destino cruel de Rincón – JOGO LIMPO com Rodrigo Czepak

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Barragem de represa rompe e destrói trecho da GO-070 99999cFoto: Reprodução)
Barragem de represa rompe e destrói trecho da GO-070 (Foto: Reprodução)

O destino cruel de Rincón

O dinamismo político costuma transformar candidatos imbatíveis em cinzas. O exemplo mais recente atende pelo nome de Jayme Rincón, atual presidente da Agetop. No mesmo dia em que o PSDB oficializou o deputado federal Giuseppe Vecci como candidato do partido à Prefeitura de Goiânia, Rincón vistoriava uma enorme cratera na GO-070, entre Itaberaí e Itauçu, provocada pelo rompimento de uma represa. O tamanho do buraco refletiu a derrocada de uma postulação que se apresentava como inquestionável  pela proximidade com o governador Marconi Perillo e o apoio do empresariado.

Jayme Rincón tinha a faca e o queijo nas mãos, fez até cirurgia plástica, mas esqueceu do básico na vida pública: humildade e articulação junto às bases. Vecci não é nenhum primor como político, pelo contrário,  mas cresceu aproveitando os sucessivos erros de Rincón, antes porta-voz do governo e hoje um mero administrador dos buracos de pequena, média e grande dimensão nas rodovias estaduais.

Ex-prefeito de Goiânia Nion Albernaz, último do PSDB a ocupar o cargo / Foto: Reprodução
Ex-prefeito de Goiânia Nion Albernaz, último do PSDB a ocupar o cargo (Foto: Reprodução)

Aperfeiçoando Nion

A propósito: não passou em branco o discurso do agora candidato tucano Guiseppe Vecci de que Goiânia “necessita de Q-Boa pra ser desencardida”. O deputado federal apenas repetiu o que o ex-prefeito Nion Albernaz tem dito há muito tempo. Com Iris Rezende a crítica caiu no ridículo, mas a rejeição de Paulo Garcia tem transformado as palavras ao vento de Nion em sintonia com o sentimento popular.

Nitroglicerina

O poder continua cegando os governantes. Não há outra justificativa para interpretar a teimosia do Palácio das Esmeraldas em implantar o modelo das Organizações Sociais nas escolas a qualquer custo. Tudo aquilo que começa mal, termina mal. Integrantes do corpo diretivo das OSs deixam qualquer criança corada de vergonha.

O sobrevivente

Delcídio do Amaral fora da prisão e Dilma Rousseff nas cordas com o inferno astral do marqueteiro João Santana. Trata-se do cenário perfeito para a sobrevida de Eduardo Cunha, abalado após derrota na eleição da liderança do PMDB na Câmara dos Deputados. Incrível o quanto o universo tem conspirado a favor do presidente. A fragilidade do governo é o combustível que move Eduardo Cunha.

LEIA MAIS: PF investiga dinheiro em contas de marketeiro petista no exterior

Já vai tarde

A repercussão foi grande. Até pelo tempo de duração – 28 anos. O programa de entrevistas de Jô Soares é bananeira que já deu cacho. Não por acaso a Rede Globo anunciou seu término no final do ano. Um alerta para outras atrações que têm dificuldade para se reinventarem como o Domingão do Faustão.

Comentários do Facebook