Polícia desarticula esquema de corrupção em presídio de Aparecida de Goiânia

Polícia Civil explica a Operação Livramento durante a coletiva de imprensa| Foto: Divulgação/Polícia Civil
Polícia Civil explica a Operação Livramento durante a coletiva de imprensa| Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil (PC), por meio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), colocou em prática na manhã desta quarta-feira, 19, a Operação Livramento, que desarticulou uma organização criminosa composta por servidores públicos, advogados e presos do presídio de Aparecida de Goiânia.

Ao todo são cumpridos 134 mandados, sendo 35 de prisões preventivas, 28 de prisões temporárias, oito conduções coercitivas e 63 de busca e apreensão.

LEIA MAIS: Faixas exclusivas no trânsito de Goiânia: O lugar de cada um

Detentos são beneficiados com o esquema de corrupção no presídio de Aparecida |Foto: Divulgação/Polícia Civil
Detentos são beneficiados com o esquema de corrupção no presídio de Aparecida |Foto: Divulgação/Polícia Civil

Com o esquema criminoso, todos os envolvidos lucravam. Desde o agente que recebia inicialmente o preso na Central de Triagem e indicava ou exigia a contratação dos advogados operadores do esquema, até o carcereiro do complexo prisional que abonava as faltas dos presos em regime semiaberto em troca de favores sexuais.

Além das prisões, foi ainda determinado o afastamento das funções de todos os servidores e ainda a suspensão do exercício da advocacia dos acusados.

O secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária Secretário SSPAP em exercício, Edson Costa, afirmou em coletiva de imprensa que a operação  “sinaliza que órgãos de controle interno estão atentos a todas as questões” e que “não haverá condescendência com os servidores”.

Acompanhe o Folha Z no FacebookInstagram e Twitter

Comentários do Facebook