Obras em rodovias de Goiás | Foto: Divulgação/Goinfra
Obras em rodovias de Goiás | Foto: Divulgação/Goinfra

O Governo de Goiás iniciou a execução de um pacote de obras que pretende revolucionar as rodovias e o transporte terrestre em geral no Estado.

A previsão é de que R$ 1 bilhão seja investido no setor até o final de 2021.

Estão incluídas nos planos obras viárias diversas, como pavimentação, recapeamento, construção de pontes, sinalização etc.

Para isso, será feito um esforço para que, até julho, 1 mil km de asfalto sejam recuperados.

Recursos

No final de 2020, o Governo Estadual anunciou o aporte de R$ 4,7 milhões para a elaboração de projetos de reconstrução de 9 rodovias e a construção de 5 pontes de concreto.

Os recursos são provenientes de um termo de cooperação técnica e financeira firmado entre o governo e o Fundo para Desenvolvimento da Pecuária em Goiás (Fundepec-GO).

Segundo as informações, na programação, estão contempladas:

  • a duplicação da GO-020, entre Bela Vista de Goiás e Cristianópolis;
  • a pavimentação da GO-132, entre Niquelândia e Colinas do Sul;
    • da GO-221, de Doverlândia ao trevo da GO-194;
    • da GO-341, entre a BR-364 e o trevo da GO-465;
    • da GO-156, de Vila Sertaneja a Uirapuru;
    • e da GO-454, do entroncamento da GO-164 à divisa com o Mato Grosso;
  • a restauração da GO-142, de Formoso, Montividiu e Trombas;
    • da GO-184, de Aporé, Itumirim e o trevo para Cacilândia;
    • e da GO-174, do entroncamento da BR-070 a Montes Claros;
  • a construção de pontes na GO-341, sobre o Ribeirão Água Parada e o Córrego Dantas;
    • na GO-465, sobre o Rio Rufino e sobre o Rio do Peixe;
    • e na GO-336, sobre o Córrego Bandeirantes.

Governador Ronaldo Caiado durante reunião para assinatura de acordo do Estado com a Fundepec

Governador Ronaldo Caiado durante reunião para assinatura de acordo para reconstrução de rodovias em Goiás | Foto: Lucas Diener

Com novo lote, vacinação chegará a idosos de 61 anos em Goiás


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook