Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central | Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil
Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central | Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Uma novidade intitulada Pix Agendado vai permitir que esse método de pagamento seja utilizado da mesma maneira que os boletos, até mesmo para compras online.

Por meio dele, há a possibilidade de o usuário pagador marcar o procedimento para uma data futura com o uso da chave ou dados bancários de quem vai receber o dinheiro.

Conforme alteração aprovada pela Diretoria Colegiada do Banco Central (BC), as instituições financeiras serão obrigadas a oferecer o Pix Agendado a partir de 1º de setembro.

Pagamentos

Desde o lançamento do Pix, o serviço de transferência instantânea do BC, em 16 de novembro de 2020, essa é uma funcionalidade facultativa.

De acordo com o BC, o prazo de 1º de setembro é razoável para que todas as instituições façam os ajustes necessários no sistema e interfaces (aplicativos e internet banking).

Tal medida visa ampliar ainda mais a comodidade dos pagadores, garantindo que todos os usuários, independentemente da instituição em que tenham conta, possam agendar um Pix, explicou o BC, em comunicado.

As instituições bancárias também ganharam mais prazo para se adequar ao Pix Cobrança, que será lançado em 14 de maio.

A ferramenta permitirá cobranças com vencimento em datas futuras por meio da geração de um QR Code (versão avançada do código de barras).

A regra estabelece que as instituições participantes do Pix que não conseguirem proporcionar a experiência completa de pagamento (leitura do QR Code e pagamento em data futura) no período de 14 de maio a 30 de junho, terão que, no mínimo, possibilitar a leitura e o pagamento na data da leitura do código, com todos os encargos e abatimentos calculados corretamente.

Transição

De acordo com o BC, será um período transitório, que dará às instituições tempo adicional para finalizar as alterações nos sistemas.

A partir de 1º de julho, então, todos os participantes precisarão ser capazes de fazer a leitura do QR Code e também possibilitar o pagamento deste para data futura.

O BC destacou que, desde o lançamento do Pix é possível fazer a leitura de QR Code para pagamentos imediatos.

“Já a oferta do Pix Cobrança (geração das cobranças com Pix e demais funcionalidades associadas a gestão das cobranças) é facultativa aos participantes, sendo obrigatória apenas a oferta de serviço de geração de QR Code estático aos usuários recebedores pessoa natural”, explicou o BC.

Pagamentos por WhatsApp serão liberados no Brasil


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook