Jornalista tem pedido de prisão preventiva por extorsão

policia-prisão-preventiva-patricia
Polícia de São Paulo pediu a prisão preventiva porque “ela destrói as pessoas que estão ao redor dela” |Foto: Reprodução/GloboNews

A Polícia Civil (PC) de São Paulo pediu à Justiça a prisão preventiva da jornalista Patrícia Lelis, de 22 anos,  por mentir à investigação e extorquir dinheiro do assessor do deputado federal pastor Marco Feliciano (PSC-SP), Talma Bauer.

“O inquérito foi concluído na última sexta-feira, 02, e foi relatado à Justiça com o indiciamento formal da jornalista pelos crimes de denunciação caluniosa e extorsão contra o assessor do deputado”, afirmou Luiz Roberto Hellmeister, titular do 3º Distrito Policial (DP), na Santa Ifigênia, região central da capital paulista.

LEIA MAIS: Patrícia Lelis é indiciada por calúnia e extorsão no caso Feliciano

O delegado disse que a estudante de direito também deve ser presa, porque ela “destrói as pessoas que estão ao seu redor”. “Não só agora, como no passado, quando apontou um inocente como estuprador em Brasília. Aqui ela quase destruiu a vida do policial [Talma]”, alegou Hellmeister. “Ela representa risco à sociedade por mentir e causar danos a diversas pessoas”, destacou.

LEIA MAIS: Jornalista é indiciada por tentativa de extorsão e falsa comunicação de crime

De acordo com o policial, o caso será analisado pela Justiça no Fórum João Mendes, no centro de São Paulo, para saber se algum juiz irá decretar a prisão de Patrícia. Nessa etapa, o Ministério Público (MP) também se manifesta a respeito da conclusão da investigação.

A defesa, no entanto, ainda não se manifestou.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter

Comentários do Facebook