Rhuan Maycon foi assassinado aos 9 anos de idade em maio de 2019 | Foto: Reprodução
Rhuan Maycon, assassinado aos 9 anos de idade em maio de 2019 | Foto: Reprodução

Rosana Auri da Silva foi condenada a 65 anos de reclusão pela morte do próprio filho, Rhuan Maycon da Silva Castro.

A sentença foi proferida após júri popular realizado em Samambaia (DF) na noite dessa 4ª feira (25).

O menino tinha 9 anos de idade quando foi cruelmente assassinado em maio de 2019 pela mãe e pela madrasta, Kacyla Priscyla Santiago, que também foi condenada a 64 anos de reclusão.

Ambas cumprirão a pena em regime inicialmente fechado.

Rosana Auri da Silva e Kacyla Priscyla Santiago foram condenadas a penas de 65 e 64 anos de reclusão
Rosana Auri da Silva e Kacyla Priscyla Santiago foram condenadas a penas de 65 e 64 anos de reclusão | Foto: Divulgação/PC-DF

‘Cheiro bom’

De acordo com reportagem divulgada pelo site Metrópoles nesta 5ª feira (26), a sentença do juiz Fabrício Castagna Lunardi destacou que o crime hediondo foi “friamente premeditado”.

Após o processo transcorrer em segredo de justiça e o julgamento ocorrer a portas fechadas, os jurados consideraram a dupla culpada pelo homicídio doloso e o magistrado registrou a perplexidade gerada pelo caso.

“O nível de perversidade da ré Rosana é tamanho que, ainda no local do homicídio, ao ser perguntada pelo delegado ‘Vocês comeram a carne da criança?’, respondeu a ele: ‘Não, mas o cheiro estava bom’.”

Rhuan Maykon | Foto: Reprodução
Rhuan Maykon | Foto: Reprodução

Conforme narra a sentença, a dupla esfaqueou, degolou, esquartejou e perfurou os olhos do pequeno Rhuan.

Depois, ainda tentaram incinerar a pele arrancada da face da criança na churrasqueira de casa, com o objetivo de dificultar a identificação do cadáver.

Segundo laudo constante no processo, Kacyla acendia o fogo enquanto Rosana degolava o filho ainda vivo, depois de esfaqueá-lo outras 11 vezes.

Passagem registrada em Aragoiânia (GO) | Foto: Reprodução
Passagem registrada em Aragoiânia (GO) | Foto: Reprodução

Emasculação

Após fugir com o filho do Acre, Rosana passou a viver em fuga do ex-marido.

Nunca mais levou Rhuan à escola ou permitiu que ele convivesse com parentes.

Uma das maiores crueldades cometidas por ela contra a criança, 1 ano antes do assassinato, foi a extirpação do seu pênis por meio de uma falectomia caseira.

Segundo a sentença, a dupla pesquisou na internet “como extrair pênis e testículos” e realizou o procedimento porque, segundo elas, Rhuan “queria ser menina”.

“A vítima sofria de dores lancinantes e desconforto prolongado ao urinar, desde o dia da lesão até a sua morte. Para urinar, a bexiga da vítima precisava encher muito, sendo que ela urinava por gotejamento, sentindo uma dor inimaginável, por um pequeno orifício”, pontuou o juiz no sentenciamento.

Maycon Douglas Lima de Castro e o filho, Rhuan
Maycon Douglas Lima de Castro e o filho, Rhuan | Foto: Reprodução

Pai

O enterro do menino foi feito em 5 de junho de 2019, na cidade natal da família, Rio Branco (AC).

Informado sobre a condenação da ex-mulher e de Kacyla, o pai de Rhuan, Maycon Douglas Lima de Castro, afirmou ao Metrópoles: “Ainda é pouco”.

Tragédia: Grave acidente entre ônibus e caminhão mata 41 pessoas


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook