Projeto Rondon – Operação Lobo-Guará | Foto: Reprodução
Projeto Rondon – Operação Lobo-Guará | Foto: Reprodução

O Centro Universitário Alfredo Nasser reabriu inscrições para estudantes interessados em participar do Projeto Rondon – Operação Lobo-Guará.

O projeto, desenvolvido e coordenado pelo Ministério da Defesa, acontece desde 1967 com objetivo de levar ações de extensão universitária para regiões isoladas da Amazônia.

Adiada em 2 oportunidades devido à pandemia do vírus Covid-19, a operação agora está prevista para ocorrer entre os dias 8 e 25 de julho de 2021.

O calendário completo está disponível online.

Unifan e Projeto Rondon

A Unifan foi selecionada para participar do Projeto Rondon através de concorrência pública com outras instituições de ensino superior de Goiás, Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, que apresentaram propostas de ações perante edital de chamamento.

O projeto será executado na cidade de Nova Roma, região norte de Goiás, através de oficinas e rodas de conversa sobre os temas da cultura, justiça e Direitos Humanos, educação e saúde.

Em Nova Roma, foi identificado um quadro de vulnerabilidade socioeconômica marcado por:

  • carências materiais;
  • desigualdades socioeconômicas;
  • migração da população jovem à procura de emprego e ensino nas regiões metropolitanas de Brasília e Goiânia;
  • baixa escolaridade da população em geral e, em particular, dos trabalhadores sob regime formal de emprego;
  • baixos salários;
  • trabalho infantil e exploração sexual das meninas e adolescentes, especialmente quilombolas kalungas;
  • violação de direitos humanos;
  • insegurança alimentar.

Esse quadro faz com que os municípios da região apresentem os piores índices de desenvolvimento humano de Goiás.

Professor Dr. Júlio César Borges | Foto: Divulgação/Unifan
Professor Dr. Júlio César Borges | Foto: Divulgação/Unifan

“Justamente, o que buscamos é contribuir com a transformação da realidade local de acordo com a Agenda 2030 das Nações Unidas”, é o que afirma o coordenador do Projeto Rondon pela Unifan, prof. Dr. Júlio César Borges.

“A Unifan foi escolhida porque demonstrou engajamento institucional com a superação destes problemas sociais, compreensão teórica e capacidade técnica em um projeto cuja qualidade convenceu o Ministério da Defesa”, ressalta o docente.

Como participar

Atuarão dois professores com doutorado na área de Ciências Humanas, sob a coordenação do Prof. Dr. Júlio César Borges.

Também serão recrutados estudantes, mediante processo seletivo público, nos cursos de Direito (dois alunos, matriculados no 6º período em diante), Psicologia (dois alunos, também do 6º período em diante), Pedagogia (também dois, a partir do 5º período) e Medicina (dois, matriculados a partir do 7º).

Eles acompanharão a preparação, execução e avaliação das atividades temáticas (Cultura, Direitos Humanos e Justiça, Educação e Saúde) concebidas, segundo metodologia participativa, para atender aos objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Com isso, teremos uma equipe multi e interdisciplinar capaz de contribuir com a formação dos estudantes como sujeitos engajados nas grandes questões contemporâneas, tal como preconizado na Política Nacional de Extensão Universitária.

Os(as) estudantes interessados(as) devem providenciar os seguintes documentos: Histórico de Notas SEM REPROVAÇÃO e Comprovante de matrícula.

Os documentos devem ser entregues em envelope lacrado na Pró-Reitoria Acadêmica.

Quem já fez inscrição, em outro momento, permanece inscrito/a desde que não tenha se formado e não tenha nenhuma reprovação.

Para maiores informações, o Edital e 2º Termo Aditivo estão disponíveis online.

O Projeto

O Projeto Rondon, desenvolvido e coordenado pelo Ministério da Defesa, teve início no ano de 1967 com objetivo de levar ações de extensão universitária para regiões isoladas da Amazônia.

Em sua primeira operação (Operação Zero ou Piloto), contou com trinta alunos e dois professores de universidades do Estado do Rio de Janeiro que realizaram ações de extensão em Rondônia. Sua primeira fase durou até o ano de 1989.

No ano de 2005, foi retomado e ampliado para outros territórios marcados pela vulnerabilidade social.

Até o presente já realizou, segundo dados do Ministério da Defesa, oitenta e duas operações, em 1.213 municípios de vinte e quatro unidades da federação, com a participação de 2.306 instituições de ensino superior e 22.896 rondonistas  (universitários e professores), alcançando cerca de 2 milhões de pessoas.

O Projeto conta com parceria do Ministério da Educação, o Ministério da Cidadania, o Ministério da Saúde, o Ministério do Meio Ambiente, o Ministério da Integração Nacional e a Secretaria de Governo da Presidência da República, além dos Governos Estadual e Municipal e Instituições de Ensino Superior reconhecidas pelo Ministério da Educação.

Tem como objetivos gerais contribuir para o desenvolvimento e o fortalecimento da cidadania do estudante universitário e com o desenvolvimento sustentável, o bem-estar social e a qualidade de vida nas comunidades carentes, usando as habilidades universitárias.

Alunos de medicina da Unifan poderão estagiar na Casa de Eurípedes


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook