Antes de se tornarem assassinos, psicopatas iniciam suas experiências em animais
Antes de se tornarem assassinos, psicopatas iniciam suas experiências em animais | Foto: Reprodução/Canva

Para o filósofo alemão Artur Schopenhauer, a bondade de caráter está diretamente ligada à capacidade de ser ou não cruel com os animais.

Segundo o sábio, alguém capaz de fazer mal para estes seres indefesos não poderia ser um bom homem ou uma boa mulher.

Seguindo esse princípio, especialistas do FBI, mais respeitada e reconhecida polícia investigativa do mundo, consideram que os psicopatas, antes de se tornarem assassinos, iniciam suas experiências em animais.

Mas nem todo mundo que maltrata, abandona, tortura ou até mata um animal é psicopata, claro.

Alguns são cruéis quando não são capazes de controlar impulsos como a raiva.

Já os psicopatas fazem atrocidades sem nem sequer sentirem raiva.

Um cachorro late e a pessoa logo vê motivo para agredir o animal.

Violência

A violência como a solução dos problemas é o espelho de uma sociedade doente.

É normal bater no cachorro ou na criança para educar.

Quando o casal briga, não é incomum que a discussão termine em agressões.

Em todos os 3 casos citados acima, a agressão é crime previsto na legislação.

Maldade

A maldade ali encontra a selvageria.

Mas será mesmo que um animal das selvas teria prazer em tamanha barbaridade? Não, não teria.

A maldade é inerente à natureza humana. Falar de selvageria não deveria ofender, afinal, os animais são melhores que nós em seus espíritos.

Para conter essas atrocidades é que existe a lei.

Quem maltrata animais, caso condenado, pode ter pena de até 5 anos de prisão.

Faça a sua parte: denuncie!

Editorial: Vicentinópolis – a banalização do mal contra animais


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook