Fui contra a negociação da Celg, diz Iris Rezende

Iris enfatizou sua contrariedade com a venda de Cachoeira Dourada e com a negociação que entregou a Celg praticamente de graça ao Governo Federal
Iris enfatizou sua contrariedade com a venda de Cachoeira Dourada e com a negociação que, segundo ele, entregou a Celg praticamente de graça ao Governo Federal

O candidato da oposição ao governo de Goiás, Iris Rezende (PMDB), reafirmou, em debate realizado na manhã de segunda-feira, 20, seu projeto de mudança para a gestão estadual e desconstruiu o que definiu como equívocos da campanha do adversário Marconi Perillo (PSDB). Promovido pelo jornal O Popular e pela rádio CBN Goiânia, veículos do Grupo Jaime Câmara (GJC), o evento marcou o primeiro embate direto entre os governadoriáveis neste segundo turno.

Em um dos temas abordados, um eleitor questionou sobre o fornecimento e a distribuição de energia elétrica em Goiás. Iris destacou seus investimentos na área e enfatizou sua contrariedade com a venda de Cachoeira Dourada e com a negociação que, segundo ele, entregou a Celg praticamente de graça ao Governo Federal.

“Sempre me preocupei com a questão energética por vê-la como essencial para o desenvolvimento econômico. Por isso, construí a quarta etapa da usina de Cachoeira Dourada e a usina de São Domingos. Posteriormente, fui contra a venda de Cachoeira Dourada assim como lutei contra a negociata que entregou a Celg”, descreveu.

Recuperação

O peemedebista se comprometeu a lutar pela recuperação da Companhia e solucionar, de vez, o déficit de fornecimento e de distribuição. Marconi, por outro lado, disse que o problema está resolvido. Ainda sobre o tema, Iris salientou que empresas têm deixado de se instalar em Goiás. “É surreal dizer que o problema está resolvido enquanto muitos ainda sofrem com esta situação. Um discurso que não se sustenta na realidade”.

Comentários do Facebook